domingo, 28 de junho de 2020

Educação pós-capitalista

Educação pós-capitalista: a ética do fazer modesto
Apostemos em uma "pedagogia lenta, serena e sustentável", inspirada na convivência, na abertura para o mundo e na experiência com o ambiente. A inovação educativa do século XXI não precisa seguir a compulsão modernizadora
Por Roberto Rafael Dias da Silva



Educação pós-capitalista: a ética dofazer modesto
Apostemos em uma “pedagogia lenta, serena e sustentável”, inspirada na convivência, na abertura para o mundo e na experiência com o ambiente. A inovação educativa do século XXI não precisa seguir a compulsão modernizadora
OUTRASPALAVRAS
Publicado 22/06/2020 às 17:26
Por Roberto Rafael Dias da Silva
Caso nos dediquemos por uma tarde para acompanhar as repercussões da pandemia global no contexto educacional ficaremos surpresos com a quantidade de diagnósticos e prospecções acerca do futuro da escola. Para alguns, a escola continua sendo uma grande maquinaria a serviço do capitalismo, produzindo poucos avanços no enfrentamento das precariedades típicas do nosso tempo. Outros, imbuídos por certo conservadorismo educacional, defendem que se trata de um momento de proteger a escola das interpelações causadas pela cultura, pela política ou pela economia. Por outro lado, mais alguns analistas, impulsionados pelos avanços tecnológicos, veem a pandemia com uma “aceleradora de futuros”. Em outras palavras, como podemos constatar, cada analista prospecta uma escola à imagem e semelhança de suas expectativas sobre o mundo.
À luz dos pressupostos do pós-capitalismo, que tem inspirado minhas inquietações políticas e acadêmicas, não vou me eximir da tarefa de ingressar neste debate. O trabalho educativo que faremos no contexto pandêmico poderá nos conduzir na direção de uma renovação de nossas expectativas sobre a escola, repensando-a em seus propósitos formativos. Como sistematizou Jaume Carbonell, sobre a inovação educativa no século XXI, talvez pudéssemos apostar em uma “pedagogia lenta, serena e sustentável”. Acreditar em uma formação humana que preserva e potencializa os tempos para pensar, para fazer e para compartilhar pode se constituir como uma questão incontornável para um novo tempo. Mais uma vez recorrendo a Carbonell, em sua perspectiva, “a escola não deve seguir o ritmo da sociedade nem depender de suas múltiplas demandas”.
Escrevi em outro texto que, ao rediscutirmos os propósitos educacionais, conseguiremos nos distanciar de duas disposições pedagógicas – predominantes hodiernamente – que orientam os fazeres escolares, quais sejam: a melancolia pedagógica e a compulsão modernizadora. Ora defendemos a escola com uma atitude nostálgica e conservadora, ora apostamos em reformas permanentes induzidas por variados dispositivos tecnológicos e culturais. Utilizei essas figuras psicanalíticas – compulsão e melancolia – de modo metafórico, sinalizando minha intenção em reequilibrar alguns aspectos deste debate. Ou seja, é desejável planejar a inovação educativa, desde que tal mudança esteja assentada em uma governança escolar democrática (COLLET; TORTI, 2016).
Em meio à crise civilizatória e à ameaça da extrema-direita, OUTRAS PALAVRAS sustenta que o pós-capitalismo é possível. Queremos sugerir alternativas ainda mais intensamente. Para isso, precisamos de recursos: a partir de 15 reais por mês você pode fazer parte de nossa rede.Veja como participar >>>
Nas últimas semanas, reencontrei-me com Richard Sennett, um sociólogo que muito influenciou minha trajetória intelectual e profissional (SILVA, 2015; SILVA, 2019). Em sua última obra – “Construir e habitar: ética para uma cidade aberta” – encontrei na “ética do fazer modesto” um ponto de partida para rediscutir o trabalho educativo em um contexto pós-capitalista. Mais que isso, a ética do fazer modesto permitiu-me reenquadrar minhas reflexões sobre o futuro da escolarização, conforme explicarei a seguir.
Referindo-se às cidades e ao planejamento urbano, Sennett tratou de caracterizar qualidades importantes para nossos modos de habitar estes espaços na atualidade, lançando mão de três adjetivos para descrever as cidades: tortas, abertas e modestas. Torta: o urbanista deveria considerar a diversidade que caracteriza as cidades atualmente e privilegiar esta dimensão em sua atividade, reconhecendo que os ambientes construídos podem ajustar-se às características de seus habitantes. Aberta: as cidades podem ser abertas à inovação e à experimentação, favorecendo atitudes de tolerância, hospitalidade e diversificação de experiências. Modesta: longe de buscar uma reconstrução total, cidades modestas apostam em pequenas reformas, alterações negociadas com os moradores ou na valorização dos saberes e das vivências locais. A construção de cidades no século XXI encaminha-se em outra direção; porém, junto ao sociólogo, parece necessário preservar estas três características no fazer dos urbanistas.
Penso que estas três adjetivações – torta, aberta e modesta – serviriam também para pensar sobre a escola do século XXI, esta que será desenhada no contexto posterior à pandemia. Afastando-se do controle e da ordem, típicos do urbanismo (e da pedagogia), Sennett defende uma “ética do fazer modesto” como alternativa para o planejamento urbano. Inspirar-se na convivência, promover modelos de inovação negociados, incentivar atitudes de abertura com o mundo e de ampliação da experiência com o ambiente, valorizar os conhecimentos relevantes e colocá-los em aproximação com os cotidianos e fomentar relações democráticas são princípios pedagógicos que poderiam ser derivados da proposta sennettiana. Em outras palavras, poderíamos defender que escola deste século não desconsidere suas conquistas e, ao mesmo tempo, não abdique da tarefa histórica da mudança. Eis um desafio a ser modestamente enfrentado!

Referências:
CARBONELL, Jaume. Pedagogias do século XXI: bases para a inovação educativa. 3a ed. Porto Alegre: Penso: 2016.
COLLET, Jordi; TORT, Antoni (Orgs.). La gobernanza escolar democrática. Madrid: Morata, 2016.
SENNETT, Richard. Construir e habitar: ética para uma cidade aberta. Rio de Janeiro: Record, 2018.
SILVA, Roberto Rafael Dias da. Sennett & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
SILVA, Roberto Rafael Dias da. Customização curricular no Ensino Médio: elementos para uma crítica pedagógica. São Paulo: Cortez, 2019.
Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OUTROSQUINHENTOS
TAGS
   


Para deter bolsonaro, é preciso abatê-lo, politicamente

Por si mesmo, ele não vai parar

Há algo particular no fascismo de Bolsonaro: a Falange -- de Franco e das milícias fascistas. Por isso, são vãs as tentativas de enquadrá-lo nos limites da legalidade. Cada recuo é, para ele, apenas uma chance de ganhar tempo. Para detê-lo, é preciso abatê-lo, politicamente
Por Ricardo Cavalcanti-Schiel

Seleção semanal nº 56 - 28/6/2020leia no navegador
A notável aparição dos Entregadores Livres
O precariado move-se. No Brasil, greve dos Rappis, em 1º/7. Na Europa, cresce a CoopCycle, rede de cooperativas de entrega. Com a mesma tecnologia das grandes plataformas, vem com itens a mais: solidariedade, proteção e direitos sociais
Por Shyam Krishna
Frente Ampla ou Frente Antifascista?
De Ciro, Boulos, Manuela e Haddad; a FHC e Sarney – todos (exceto Lula) prometem estar, esta noite, no ato virtual Direitos Já, contra Bolsonaro. Por que ele é importante. Quais são seus limites
Por Antonio Martins
Por si mesmo, ele não vai parar
Há algo particular no fascismo de Bolsonaro: a Falange -- de Franco e das milícias fascistas. Por isso, são vãs as tentativas de enquadrá-lo nos limites da legalidade. Cada recuo é, para ele, apenas uma chance de ganhar tempo. Para detê-lo, é preciso abatê-lo, politicamente
Por Ricardo Cavalcanti-Schiel
A um passo da Grande Crise do Petróleo
Há dois séculos, ele é o emblema da industrialização e do capitalismo. Suas propriedades são notáveis, mas a lógica de infinitude associada a ele nos projetou em crise ambiental e civilizatória. Substituí-lo exigirá criar outra sociedade
Por Juan Arellanes
Volkswagen, “amiga da ditadura”, foge do passado
Alegando prejuízos com pandemia, empresa deixa negociações que poderiam indenizar antigos funcionários, presos e torturados após sua colaboração com os militares de 64. Jornal alemão revelou que filial brasileira temia “abrir a caixa de Pandora”
Por Christian Russau
Em meio à crise civilizatória e à ameaça da extrema-direita, OUTRAS PALAVRAS sustenta que o pós-capitalismo é possível. Queremos sugerir alternativas ainda mais intensamente. Para isso, precisamos de recursos: a partir de 15 reais por mês você pode fazer parte de nossa rede. 
Veja como participar >>>
🎙️ América Latina, epicentro da covid-19
Ex ministra da Saúde do Equador analisa as fragilidades da região. A governantes desastrosos, soma-se algo mais grave: a captura do Estado na últimas décadas -- com a transferência do dinheiro dos serviços públicos ao capital internacional
Carina Vance em entrevista a Raquel Torres, no Tibungo
5G, o grande trunfo para o capitalismo de vigilância
Máquinas superconectadas. Contatos humanos rastreados via Bluetooth. Cidades (e casas) “inteligentes” que captam e controlam nossas atividades. Na corrida tecnológica do 5G, entre China e EUA, a disputa por uma nova ordem mundial
Por Diego Vicentin e Fernanda R. Rosa
Educação pós-capitalista: a ética do fazer modesto
Apostemos em uma "pedagogia lenta, serena e sustentável", inspirada na convivência, na abertura para o mundo e na experiência com o ambiente. A inovação educativa do século XXI não precisa seguir a compulsão modernizadora
Por Roberto Rafael Dias da Silva
Convite à prática pública de psicanálise
Num mundo mercantilizado e desigual, há espaço para uma escuta psicanalítica não mediada pelo dinheiro? Como ela se relaciona com a cidade psíquica, a confidencialidade, as relações complexas entre Estado, público e privado?
Por Daniel Guimarães




Maçons Pela Democracia Lançam 6ª Carta ao Povo Brasileiro: Liberdade, Igualdade e Fraternidade

Maçons Pela Democracia Lançam 6ª Carta ao Povo Brasileiro: Liberdade, Igualdade e Fraternidade