segunda-feira, 13 de abril de 2020

A pandemia desnuda a Era dos Empregos de Merda

O melhor da semana - Biopolítica de uma catástrofe anunciada | Sobre nossa finitude, as ameaças e o dinheiro | Que mundo virá depois da pandemia? Outras Palavras 12 de abril de 2020 10:04 Para: institutouniversidadepanameria@gmail.com Mostrar original Seleção semanal nº 45 - 12/4/2020 leia no navegador Biopolítica de uma catástrofe anunciada A pandemia nasce da pecuária industrial e da devastação da Saúde pública. Mas o problema que revela é, além do capitalismo em si, o capitalismo em mim. Oxalá o desejo de viver nos dê criatividade e empenho para a transformação indispensável Por Ángel Lara A pandemia desnuda a Era dos Empregos de Merda Agora, bilhões descobrem que podem trabalhar em casa, sem os controles burocráticos de sempre. Jornada de trabalho poderia ser reduzida drasticamente, em relações pós-capitalistas. Mas haverá imensa pressão para que tudo volte ao “normal” Entrevista de David Graeber A Quarentena, a normalidade à espreita e o espectro de Toritama Se nada fizermos, o recolhimento do capitalismo para o interior das residências será a promessa de que tudo voltará a ser como antes. Ou – pior – sinal de que as fronteiras entre trabalho e tempo livre estão prestes a se apagar por completo Por Claudio Medeiros e Victor Galdino Sobre nossa finitude, as ameaças e o dinheiro As bolhas de conforto e negação estouraram. A vida não está protegida por cápsulas: a casa, o carro, o shopping. Espalham-se riscos como a mudança climática, a falta de alimentos e as bactérias resistentes. Enfrentá-las exige desafiar as cegueiras do capital Por George Monbiot Uma amarga prévia da catástrofe do clima Gradual e presente há anos, crise climática assemelha-se à pandemia: enfrenta negacionismo, impacta economia, sobrecarrega hospitais e aflige população mais pobre. Ambas são sintomas de um mundo insustentável - e da urgência de transformá-lo Por Sharon Zhang Vulnerabilidade, essência da Educação pós-capitalista Frente à ameaça invisível, a fragilidade humana -- e a necessidade de outra formação. Daí, diz Judith Butler, também virá a busca coletiva por proteção. Das angústias da pandemia, o Comum poderá surgir como alternativa ao ultraliberalismo Por Roberto Rafael Dias da Silva O vírus transparente e os unicórnios invisíveis Entre o reino transcendente, dos deuses e mercados; e o mundano, das desigualdades e devastação, há uma esfera intermediária. Três seres astutos e terríveis a habitam. Sua força está em não serem percebidos – e em agirem em conjunto Por Boaventura de Sousa Santos [Podcast] Vigilância e controle na quarentena Trabalho e Educação à distância abrem oportunidade perfeita para gigantes da tecnologia abocanharem mais de nossos dados pessoais. De quebra, facilitam superexploração do tempo e dos corpos. Mas há brechas na desmercantilização da internet Entrevista de Rafael Evangelista [Vídeo] Governo estrangula (ainda mais) ciência brasileira Em todo o mundo, a busca pela vacina ao coronavírus. Enquanto no Brasil, mais desmonte: governo atinge as pesquisas da Capes, precarizando-as, e elitiza a carreira científica. Mais bolsas serão cortadas -- só ano passado, foram 8 mil Flávia Calé em entrevista a Rôney Rodrigues [Vídeo] Que mundo virá depois da pandemia? Neste exato instante, dois movimentos opostos estão pleno curso, em alta velocidade. O 0,1% mais rico tenta ampliar seu controle sobre todo tipo de poder. Em contrapartida, as redes de solidariedade sugerem um mundo livre da ditadura dos mercados ...

Nenhum comentário:

Postar um comentário