domingo, 9 de junho de 2019

O Golpe ainda em Processo

O Golpe ainda em Processo

Moro, o "Russo" As reportagens de hoje mostram, entre outros elementos, que os procuradores da Lava Jato falavam abertamente sobre seu desejo de impedir a vitória eleitoral do PT e tomaram atitudes para atingir esse objetivo; e que o juiz Sergio Moro colaborou de forma secreta e antiética com os procuradores da operação para ajudar a montar a acusação contra Lula. Tudo isso apesar das sérias dúvidas internas sobre as provas que fundamentaram essas acusações e enquanto o juiz continuava a fingir ser o árbitro neutro neste jogo. O único papel do Intercept Brasil na obtenção desse material foi seu recebimento por meio de nossa fonte, que nos contatou há diversas semanas (notícia da invasão do celular do ministro Moro, divulgada nesta semana, na qual o ministro afirmou que não houve “captação de conteúdo”) e nos informou de que já havia obtido todas as informações e estava ansiosa para repassá-las a jornalistas. Parte 1: https://theintercept.com/2019/06/09/editorial-chats-telegram-lava-jato-moro/ Parte 2: https://theintercept.com/2019/06/09/procuradores-tramaram-impedir-entrevista-lula/ Parte 3: https://theintercept.com/2019/06/09/dallagnol-duvidas-triplex-lula-telegram-petrobras/ Parte 4: https://theintercept.com/2019/06/09/chat-moro-deltan-telegram-lava-jato/ https://exame.abril.com.br/blog/sergio-praca/apos-troca-de-mensagens-com-dallagnol-moro-precisa-renunciar/ Quando era juiz federal, Sergio Moro combinou com Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato no Ministério Público Federal, estratégias de investigação para implicar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em atos criminosos. Conversas mantidas por Moro e Dallagnol pelo aplicativo de mensagens Telegram – reveladas pelo site The Intercept, do jornalista Gleen Greenwald e equipe – mostram como o MPF e Moro trocavam informações de modo ilegal, desrespeitando a neutralidade do Judiciário. O candidato derrotado às eleições presidenciais no ano passado pelo PT, Fernando Haddad, escreveu em seu Twitter que se trata do “maior escândalo institucional da história da República”.

Bozo, um terrorista assassino genocida

Bozo, um terrorista assassino genocida

Bolsonaro faz terrorismo e ameaça dar calote em aposentados Brasil 247 8 de junho de 2019 19:32 Seguindo "Sem aprovação do PLN 4 pelo Congresso teremos que suspender o pagamento de benefícios a idosos e pessoas com deficiência já no próximo dia 25. Nos meses seguintes faltarão recursos para aposentadorias, Bolsa Família, PRONAF, Plano Safra...", ameaçou o presidente pelo Twitter neste sábado 8 247 - O presidente Jair Bolsonaro voltou a usar do terror e da ameaça neste sábado 8 para tentar aprovar matérias de interesse do governo. Agora ele trata do PLN 4, que deve ir à votação na próxima semana. O projeto autoriza o governo a descumprir a regra de ouro por meio da venda de títulos públicos para pagar despesas correntes no valor de R$ 248 bilhões. A Constituição só permite a operação nos casos de investimentos. "Sem aprovação do PLN 4 pelo Congresso teremos que suspender o pagamento de benefícios a idosos e pessoas com deficiência já no próximo dia 25. Nos meses seguintes faltarão recursos para aposentadorias, Bolsa Família, PRONAF, Plano Safra...", ameaçou o presidente pelo Twitter. Nesta semana, o líder do PT, deputado Paulo Pimenta, criticou a postura da base aliada por, segundo ele, não procurar o diálogo para aprovação da matéria. "Bolsonaro não quer aprovar o #PLN4. Se quisesse, no mínimo procuraria as bancadas da oposição para dialogar. Mas ele aposta na estratégia do caos", disse. Jair M. Bolsonaro - Sem aprovação do PLN 4 pelo Congresso teremos que suspender o pagamento de benefícios a idosos e pessoas com deficiência já no próximo dia 25. Nos meses seguintes faltarão recursos para aposentadorias, Bolsa Família, PRONAF, Plano Safra... Clique aqui para ver página original

Bozo, assassina e destrói

Bozo, assassina e destrói

Necromancia: O desgoverno Bolsonaro no coração das trevas revistaforum 8 de junho de 2019 16:09 Por Marcos Danhoni* “O horror! O horror!” (“O Coração das Trevas”, Joseph Conrad) Quase seis meses de desgoverno absoluto sucedido pelo golpe parlamentar-jurídico-midiático de 2016 e vitorioso nas urnas destroçadas pelo impulsionamento criminoso de fake news de 2018 (e tolerado pelo TSE e STF). Sem projetos de governo, Bolsonaro e sua Máfia de Milicianos (assassinos de Marielle e Anderson) prosseguem na única missão que prometeram e deixaram claro desde o início: a DESTRUIÇÃO! Neste sentido podemos qualificar o desgoverno como um “governo apocalíptico” (assim como quis essa massa ignara de neopentecostais e carismáticos que vêem no Apocalipse de todos, a forma da redenção pelos seus vis crimes, que eles denominam singelamente de “pecados”). Podemos dar-lhe uma nova definição: o governo da NECROMANCIA! Na verdade, “Necromancia” pode ser definida como uma “arte” de se comunicar com os mortos, evocando seus corpos putrefatos para assombrar os vivos. O desgoverno Bolsonaro é o instigador de uma famosa frase de Luis Buñuel, em seu “Anjo Exterminador”: “é preferível a morte a este ambiente tão descuidado”! Ligando “Necromancia”, “Apocalipse” e “Anjo Exterminador”, podemos classificar Bolsonaro como o des-intérprete de uma suposta civilização brasileira que um dia encontrou (e hoje a perdeu…), mesmo em suas mazelas, as belezas escondidas da vida e seu sonho por uma democracia ativa e participativa, socialmente justa e igualitária. Vejamos o que suporta essa interpretação: – um projeto de aposentadoria que fomentará o trabalho incansável de vidas que serão fatalmente abreviadas; – o suicídio de idosos que estarão na conta deste criminoso Projeto de (Não) Aposentadoria; – a remoção dos radares estradais (no Brasil morriam por ano cerca de 45 mil pessoas – com os radares – e agora, com a falta deles?); – a não multa para motoristas que dirigirem com crianças nos bancos dianteiros ou sem a cadeirinha de bebê (milhares e milhares de crianças e bebês morrerão em consequência da falta delas). A 1ª Lei de Newton (Lei da Inércia), que Bozo deve conhecer, está sendo implementada em sua forma mais cruel, para permitir, por meio de acidentes estradais e dentro de municípios, a extinção da vida desde a sua mais tenra infância); – a destruição do Programa MAIS MÉDICOS; – a destruição em larga escala do SUS; – a destruição do FARMÁCIA POPULAR; – a demora ou mesmo extinção na distribuição de remédios de alto custos para doenças graves e de alto risco; – os programas de vacinações em massa destruídos; – a liberação de agrotóxicos que chegam a mais de 200 produtos reprovados em todo o mundo; – a criminalização de movimentos sociais; – a destruição em larga escala do meio ambiente; – o impulsionamento, via Sergio Moro, do excludente de ilicitude, fomentando o homicídio indiscriminado por parte de policiais; – a liberação de até 4 armas por “cidadão”, além de 5 mil munições/ano; – a criminalização das universidades e da profissão de professor, instigando a violência de pais e alunos contra os docentes e as Instituições de ensino; – o projeto de “home schooling” (educação domiciliar), de Damares Alves, que permitirá a não socialização de crianças e as deixarão expostas ao abuso sexual (e assassinatos) por parte de familiares e vizinhos; – a internação compulsória de pessoas dependentes, alimentando uma rede de instituições neopentecostais aliadas do governo, numa verdadeira recriação dos Manicômios-prisões ao estilo daquelas criadas nas décadas de 60 e 70 do século passado (verdadeiros campos de concentração e homicídio em larga escala de pessoas desassistidas). Todas estas ações, de enorme gravidade, e de potencial altamente letal, estão sendo implementadas de forma sistêmica no Brasil. Bolsonaro, sua famiglia, sua Máfia de Milicianos e sua troupe de descerebrados abraçaram a Morte para instaurar um reino de Terror e Necromancia, tentando reviver nos mortos aquilo que eles sinonimizaram como “Vida” … Nos antigos idólatras revividos nas Igrejas e Templos daqueles que professam a “salvação” somente no “outro mundo”, a crença é de que o poder político pode ser retirado dos “Céus”. Porém, para o necromante, este poder é extraído do reino de Hades, do submundo, que eles julgavam renunciar! Em verdade vos digo: Bolsonaro e todos os seus apoiadores, invocando as Trevas em que estamos mergulhados, transformou a Democracia em Necromancia, e nosso mundo do diálogo e de esperança, num sussurro triste de desesperançado do clássico lamento: “O horror! O horror!”, de Joseph Conrad, em seu “O Coração das Trevas”! *Marcos Cesar Danhoni Neves é professor titular da Universidade Estadual de Maringá, autor do livro “Do Infinito, do Mínimo e da Inquisição em Giordano Bruno”, entre outras obras *Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum. Clique aqui para ver página original