quinta-feira, 21 de novembro de 2019

The Intercept Brasil

Fui a 4 países denunciar Bolsonaro
No início de novembro eu saí do Brasil para uma série de eventos nos Estados Unidos, na Noruega, Suíça e França. Conversei com brasileiros expatriados mas também com pessoas de vários países sobre os horrores da política bolsonarista. Não que esses horrores fossem novidades para alguém: a destruição em marcha da Amazônia, a corrupção no judiciário para proteger a própria família, o enfraquecimento da nossa democracia. Em poucos países do mundo democrático o presidente tem seu nome envolvido em um caso de assassinato.
Ouvi também relatos de colegas jornalistas de todo o mundo, de Oslo a Lagos. Pedro Molina, o maior cartunista da Nicarágua – que hoje vive nos Estados Unidos por causa dos horrores de seu próprio país – balançava a cabeça e sorria tristemente enquanto assistia à minha apresentação na Universidade do Texas, em Austin. Quando eu disse que Bolsonaro havia ameaçado Glenn de expulsão; quando eu disse que parlamentares pediam o fechamento do Intercept; quando eu disse que a própria ONU pediu providências do governo brasileiro contra as ameaças a nossos jornalistas (e foi ignorada), notei que era um roteiro que ela já conhecia. Molina me disse depois, em uma mesa com jornalistas de outros países: “Somos todos pacientes com a mesma doença em graus diferentes de contágio”. Mais de 440 pessoas foram mortas nas ruas do seu país até julho do ano passado, a maioria, manifestantes que foram assassinados a tiros.
Ilustração de Pedro Molina, cartunista da Nicarágua.
Em todos os eventos que participei, pude perceber que as pessoas sabem de uma coisa: seja em Genebra, seja em Kampala, sem a imprensa, a vida de todos fica muito pior. 
Países que respeitam direitos, que prezam pela liberdade de expressão e que apostam na diversidade – e não no ódio e na censura – têm mais imprensa, e não menos. Onde a imprensa está enfraquecida, o horror tomou conta. É por isso que em todos esses eventos falei, ao final, sobre nosso programa de financiamento coletivo. Jornalistas não costumam fazer isso, mas o momento que estamos vivendo não pede moderação nesse caso. Eu não tenho vergonha de dizer que precisamos desse dinheiro para seguir trabalhando.
Quero dividir com você algumas curiosidades que vi e ouvi em cada parada da viagem. Segue o fio:
  • Minha primeira atividade foi em Austin, nos Estados Unidos. No Knight Center for Journalism in the Americas da Universidade do Texas falei sobre “Mídia e democracia nos tempos de cólera e da polarização digital na América Latina”. Lá, estive com jornalistas da Venezuela, México, Argentina, Equador, Chile e Nicarágua. Só as histórias da Nicarágua ganham do Brasil atual. É difícil para a plateia acreditar nas coisas que contamos do cotidiano brasileiro por conta do tamanho dos absurdos. 
  • Saí dos EUA com a sensação de que as pessoas sabem quem é Jair Bolsonaro, têm dimensão do seu autoritarismo e do perigo que representa. O que mais repercutiu por lá foram as queimadas na Amazônia e a crise generalizada no ministério do Meio Ambiente. Pude contar um pouco da nossa cobertura, como demos com exclusividade o falso currículo de Ricardo “Yale” Salles, e desmascarar sua agenda com os destruidores do planeta. Falei também sobre o plano alucinado dos militares para “ocupar” a Amazônia.
  • Em seguida fui a Oslo. No dia em que o Augusto Nunes covardemente agrediu Glenn Greenwald eu estava ao lado de dois jornalistas turcos. Aproveitei e contei a eles como, ao longo do ano, fomos agredidos por congressistas, figuras públicas e outros jornalistas. Um deles me disse: “Começou assim na Turquia. Hoje temos 100 jornalistas presos. Cuidado.” 
  • Fui à Genebra dias depois para uma atividade do Coletivo Grito, de brasileiros que moram por lá: “Autoritarismos em Marcha - O Caso Brasileiro”. Pude conversar com muitos brasileiros na Suíça, inclusive com o mais ilustre deles, o escritor Paulo Coelho, com quem jantei. Paulo me disse que está vendo coisas no Brasil de hoje que não viu nem mesmo durante a ditadura militar, pela qual foi torturado. Notei que há enorme disposição para que se crie um movimento internacional para denunciar a gangue que tomou conta do país. Isso é muito positivo!
  • Meu último destino foi Paris onde conversei com colegas de mídias independentes e dei uma entrevista à Rádio France Internacional. Contei sobre a realidade brasileira e tratei de alternativas para compartilhar o que produzimos por aqui. Aprendi um pouco sobre sustentabilidade de alguns veículos de lá. Fiz reuniões com colegas que também não vivem de anúncio ou investidores, mas conseguem com a participação intensa dos leitores furar a bolha e gerar dinheiro suficiente para fazer algo que a gente sabe que é custoso e não dá lucro: o jornalismo que muda a vida das pessoas.
Desculpa pelo e-mail mais longo do que o normal, mas achei importante compartilhar essas notas da viagem para que você tivesse dimensão do que estamos fazendo. Nosso trabalho no Intercept passa por apurar informações, dar furos, investigar. Mas ele também tem uma inegável dimensão política e eu não tenho vergonha de assumir isso. Política com P maiúsculo. Porque está cada vez mais claro que se a gente tiver vergonha de apontar o dedo, de denunciar para o mundo o que está rolando por aqui e de dar nome às coisas, vamos ser esmagados pelas forças autoritárias. 
Voltei cheio de ideias e com fome para investigar aqueles que querem nos calar, tirar mais direitos, deixar a vida ainda mais precária. O remédio contra isso? Mais jornalismo! Mais imprensa! 
FAÇA PARTE DO TIB →

Um abraço e até mais.

Leandro Demori
Editor Executivo, The Intercept Brasil

Fake news a R$ 25 mil por mês: como o Google treinou e enriqueceu blogueiros antipetistas

Rodrigo Ghedin, Tatiana Dias, Paulo Victor Ribeiro
Grupo de blogueiros aproveitou a onda do impeachment e as instruções da empresa para lucrar com anúncios.

Vazamento inédito revela os detalhes da espionagem do Irã no Iraque

Tatiana Dias, Rafael Moro Martins, Andrew Fishman, Paula Bianchi
Mais de 700 telegramas do serviço secreto iraniano revelam como o país se aproveitou do caos após a queda de Saddam Hussein para influir no Iraque.

‘Se eu me debatesse, eles poderiam me dar um tiro': a história da advogada presa durante audiência

Valéria Santos
Todo advogado negro é vítima de racismo, mas muitos não falam nada. Desde o primeiro dia de aula no curso de Direito até o ponto de ser algemada e arrastada na frente de uma cliente.
Recebeu este e-mail encaminhado por alguém? Assine! É grátis.

Obrigado por nos ler! Que tal nos dizer o que achou?
Siga-nos em nossas redes sociais:
Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
Website

0 comentários: