quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Colégio é acusado de aplicar prova com conteúdo homofóbico

Entre as 50 questões do questionário, é possível encontrar as seguintes perguntas: “a pessoa nasce ou se torna homossexual?”, “a bíblia condena a relação homossexual?” “homossexualismo tem perdão?”, “como evitar o homossexualismo?”
Visualizar como página web
Colégio adventista é acusado de aplicar prova com conteúdo homofóbico
Uma prova de Língua Portuguesa aplicada pela Escola Adventista de Correios, em Belém, aos alunos do nono ano do Ensino Fundamental vem causando inquietação nas redes sociais. Entre as 50 questões do questionário, é possível encontrar as seguintes perguntas: “a pessoa nasce ou se torna homossexual?”, “a bíblia condena a relação homossexual?” “homossexualismo tem perdão?”, “como evitar o homossexualismo?”. Continuar lendo →
Weintraub diz que proclamação da República foi “infâmia” contra Pedro II
O ministro Abraham Weintraub classificou a proclamação da República, que completa 130 anos nesta sexta-feira 15, uma “infâmia” contra o imperador Dom Pedro II. Em uma publicação feita em seu Twitter, ele escreveu: “Não estou defendendo que voltemos à Monarquia mas…O que diabos estamos comemorando hoje?”. Continuar lendo →
54 escolas no País farão parte do programa cívico-militar do MEC
O Ministério da Educação anunciou nesta quinta-feira 21 os Estados e municípios contemplados pelo programa Nacional das Escolas Cívico-Militares, a partir do ano que vem. Serão 54 escolas no País no modelo, 38 estaduais e 16 municipais.
 Continuar lendo →
“A faculdade não está pronta para lidar com a permanência dos alunos cotistas”
Ao andar pelos corredores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, a estudante Larissa Alexandre relata um incômodo. “As pessoas brancas vivem o ambiente acadêmico porque ele foi estruturado para elas. Os pretos precisam viver a universidade para se politizar e se preocupar com essas questões.” Continuar lendo →
Contra racismo, professora usa método que valoriza voz ativa do aluno
Foi a partir da experiência de ter sido uma criança negra em um ambiente escolar predominantemente branco e do conhecimento sobre culturas africanas e indígenas obtido na faculdade de História que a professora Priscila Dias decidiu adotar uma metodologia chamada “Círculos Narrativos” para enfrentar o racismo e reequilibrar as histórias orais e escritas no espaço escolar. Continuar lendo →
Enviado por CartaCapital
Sugestões de temas, críticas e outros comentários podem ser enviados para a editora Ana Basílioana@cartacapital.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário