terça-feira, 2 de julho de 2019

O Crime hediondo da lava jato e cia

O crime hediondo de Moro, Dallagnol & Companhia
outraspalavras1 de julho de 2019 15:50


Lava Jato destruiu a estratégica indústria brasileira de construção pesada, desempregou diretamente 1 milhão de pessoas e abriu as portas para as grandes empreiteiras transnacionais. Um desastre que nos custará décadas de atraso…
Sim, o descumprimento das leis e o desprezo pelo rito democrático, para tentar mandar no país sem ter voto, é traição à Constituição e ao código de ética de suas profissões. Mas é relativamente simples a reversão.
Já a destruição consciente de um setor econômico vital, um dos maiores empregadores do país, para viabilizar a entrada das grandes empreiteiras transnacionais no Brasil e para inviabilizar as exportações de serviços e equipamentos brasileiros, isso nos custará décadas para superar.
Ao se dedicarem à perseguição das empresas – enquanto barganhavam delações prêt-à-porter por penas de faz-de-conta para acionistas controladores e altos executivos – os corretores da LJ praticaram traição à Pátria e condenaram ao desespero milhões de seus concidadãos, pois a perda de empregos vai muito além das construtoras, envolve uma longa cadeia produtiva de insumos e uma longa cadeia de consumo atingida pelo sumiço dos salários.
Como reporta o Valor:
“As maiores construtoras brasileiras, que estiveram no centro da Lava-Jato, encolheram drasticamente em curto espaço de tempo. Do auge, em 2015, a receita líquida do grupo que inclui Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão, Galvão Engenharia, UTC e Constran caiu 85%, de R$ 71 bilhões para R$ 10,6 bilhões em 2018, segundo levantamento do Valor. A OAS, segunda maior em 2015, ainda não publicou seu balanço. A construção pesada fechou 1 milhão de vagas, 40% dos empregos perdidos pelo país nesse período.
A menor capacidade do governo de investir ampliou a crise das empresas. Ainda não é possível saber como ou se elas vão sobreviver. Para Venilton Tadini, presidente da Abdib, o mercado ainda está se reduzindo. ‘Não há obra para grandes, médias nem pequenas'”.
Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade:OutrosQuinhentos

0 comentários: