quarta-feira, 12 de junho de 2019

A Revolução dos Riquinhos


Revolução dos ricos perde força no mundo e esquerda avança Brasil 247 10 de junho de 2019 13:36 Seguindo A indignação crescente com as políticas de austeridade, pródigas em aumentar a pobreza e a exclusão; a necessidade de resistir à liquidação dos direitos trabalhistas, sociais e ambientais; o sacrifício de gerações causado pelo desemprego; a insensibilidade dos neoliberais diante do drama dos refugiados; a luta para impedir que pilares do bem-estar social e do iluminismo virem pó, fulminados pelos ataques do obscurantismo e da financeirização da economia e da vida. Estes fatores, dentre outros, ajudam a entender a mudança dos ventos político-eleitorais ao redor do mundo, evidenciada pelas recentes e seguidas vitórias da esquerda, dos democratas e de partidos e políticos comprometidos com valores como a solidariedade, a igualdade de oportunidades, as políticas públicas redistributivas e o combate aos preconceitos, sejam eles sociais, raciais, de gênero ou de orientação sexual. O mesmo cenário favorável às forças progressistas se anuncia em países que realizarão eleições em breve, casos da Argentina, em outubro deste ano, e dos Estados Unidos, em 2020. Com a economia devastada pela aplicação do receituário neoliberal radical do presidente Macri, que gerou explosão inflacionária, desemprego recorde e pedido de socorro ao FMI, o pais vizinho vive um ascenso notável da resistência popular. Duas greves gerais bem-sucedidas e protestos com adesão maciça encurralam cada vez mais o governo. Também às voltas com um cerco judicial, lawfare que além de Lula atinge outros ex-presidentes de esquerda do continente sul-americano, a atual senadora e ex-presidente Cristina Kirchner, favorita em todas as pesquisas para a eleição presidencial que se aproxima, provocou forte turbulência no tabuleiro político argentino ao se lançar como vice-presidente na chapa (ou fórmula, como se diz nos países de língua espanhola) encabeçada por seu ex-chefe de gabinete, e também de Néstor Kirchner, Alberto Fernández. Provavelmente pautado por pesquisas qualitativas internas de seu grupo político, o movimento inesperado de Cristina ao mesmo tempo em que dividiu opiniões na oposição a Macri, desnorteou os adversários que estão no poder. E, a julgar pelos primeiros levantamentos sobre a corrida eleitoral realizados após a mudança na cabeça da chapa, a tática se mostrou acertada. Alberto Fernández lidera com folga as pesquisas e ultrapassa os 40% - percentual suficiente pela legislação eleitoral da Argentina para assegurar a vitória no primeiro turno – num cenário que inclui a candidatura do ex-ministro da Economia de Néstor Kirchner, o economista Roberto Lavagna, tido como um quadro moderado e hoje ligado a setores da direita do peronismo. Tanto que o escândalo da vez na Argentina, manchete de todos os jornais, é um suposto oferecimento de suborno por parte de empresários próximos a Macri para que Lavagna desista de concorrer, o que levaria a eleição para o segundo turno. Seja contra quem for, Fernández mantém o favoritismo. Em escala global, a virada dos segmentos comprometidos com o avanço social teve início com a vitória de Lópes Obrador, no México, em 2018, interrompendo seguidos governos conservadores e de direita. Em abril de 2019, foi a vez de Pedro Sánchez, secretário-geral do PSOE, se reeleger presidente do governo espanhol (é esse mesmo o nome que os espanhóis dão ao seu chefe de governo), à frente de uma coalizão de esquerda. E nas eleições para o Parlamento Europeu, que aconteceram entre os dias 23 e 26 de maio agora, ficou longe de se confirmar a estimativa da imprensa europeia e de analistas, segundo a qual a extrema-direita, inimiga de morte da Comunidade Europeia, obteria votação avassaladora. Na França, a vitória de Marine Le Pen se deu por uma margem aquém da esperada, enquanto o triunfo da Liga Norte, do ministro do Interior italiano Matteo Salvini, se revelou insuficiente para alterar a correlação de forças no Parlamento Europeu. Os verdes e liberais que ocuparão a maioria das cadeiras formarão com a esquerda uma sólida maioria pró-euro. Mas as boas notícias não se esgotaram com a eleição dos eurodeputados. Logo na sequência, na esteira da vitória da esquerda nas eleições de outubro de 2018, na Suécia, o eleitorado de outro país nórdico impôs uma dura derrota aos nacionalistas de direita: a Dinamarca elegeu a social-democrata Mette Frederiksen (foto), de 41 anos, para a chefia de governo, depois de uma campanha em que defendeu explicitamente ser contrária à redução de impostos, mantra dos conservadores de todo o planeta. Mesmo com as mãos sujas de sangue pelo massacre do povo palestino, Benjamin Netanyahu, ferrenho aliado do presidente fascista brasileiro, venceu por estreita margem a eleição em Israel que aconteceu em abril. Mas sua alegria durou pouco. Como fracassou na missão de formar o governo, o Knesset, parlamento israelense, acaba de aprovar sua própria dissolução, marcando nova eleição para setembro. Quem venha 2022 ! Artigos recentes A Globo e suas irmãs siamesas não hesitaram em transformar a defesa incondicional que os manifestantes fizeram do presidente fascista em uma gloriosa e cívica jornada em defesa das bandeiras que lhes interessam: a reforma da previdência e o pacote de Moro "Levar para as ruas a tese da anulação da eleição de 2018, vencida através de todo tipo de sujeira e financiamento ilegal, e a realização de um novo pleito? Pessoalmente, simpatizo com essa última alternativa, mas será que a correlação de forças na sociedade permite que ela prospere?", questiona o colunista Bepe Damasco Quem a Globo pensa que é para humilhar um cidadão brasileiro que ganha a vida honestamente? Pensando bem, esperar o que de quem ostenta uma folha corrida recheada de apoio a golpes e ditaduras e sempre se posicionou contra as boas causas do Brasil e do povo brasileiro? No episódio envolvendo Sidão, aliás, a Globo foi mais Globo do que nunca Quer dizer, então, que é isso que se espera de um governador? A sociedade pretende se calar diante de um governante que se comporta como um jagunço da pior espécie? E o Ministério Público, por que não se interessa em saber quantos moradores de favela já foram abatidos pelos snipers a soldo de Witzel? Não há dúvida de que a luta pela liberdade de Lula, além de pôr fim ao encarceramento infame de um inocente, se confunde com a luta pela restauração da democracia no Brasil. Coisas que somente a pressão popular e a mobilização de amplas parcelas da sociedade lograrão alcançar. No entanto, isso não quer dizer que Lula deva abrir mão da guerra judicial que trava para ter sua inocência reconhecida Clique aqui para ver página original

0 comentários: