Postagens

Mostrando postagens de Setembro 19, 2015

O empresario mais rico do Brasil e’ quem mais clama pelo impeachment de Dilma

Imagem
post em andradetalishttps://mail.google.com/mail/u/0/?tab=wm#inbox/14fe6dbd67bedd79
O espírito golpista dos ricos contra os pobresby Talis Andrade Vladimir Kazanevsky Olha o Velhinho --- por Luís Fernando Veríssimo --- Um fenômeno novo na realidade brasileira é o ódio político, o espírito golpista dos ricos contra os pobres. O pacto nacional popular articulado pelo PT desmoronou no governo Dilma e a burguesia voltou a se unificar. Economistas liberais recomeçaram a pregar abertura comercial absoluta e a dizer que os empresários brasileiros são incompetentes e superprotegidos, quando a verdade é que têm uma desvantagem competitiva enorme. O país precisa de um novo pacto, reunindo empresários, trabalhadores e setores da baixa classe média, contra os rentistas, o setor financeiro e interesses estrangeiros. Surgiu um fenômeno nunca visto antes no Brasil, um ódio coletivo da classe alta, dos ricos, a um partido e a um presidente. Não é preocupação ou medo. É ódio. Decorre do fat…

agropecuária capitalista

Imagem
http://www.cartacapital.com.br/
http://www.cartacapital.com.br/economia/como-a-agropecuaria-vai-lidar-com-as-transformacoes-do-capitalismo-4495.html?utm_content=buffer02a23&utm_medium=social&utm_source=plus.google.com&utm_campaign=buffer

Economia Opinião Como a agropecuária vai lidar com as transformações do capitalismo? É preciso saber como conciliar a emergência de classes subalternas, a financeirização, o trabalho e a proteção ao meio ambiente por Rui Daher — publicado 18/09/2015 06h25 AFP Área de agricultura em Chongqing, na China: o setor emprega 300 milhões de chineses Leia tambémA desaceleração da China não é tão ruim quanto parece E não é que o governo federal gosta mesmo de correr perigo? Brasil, entre o oficial e o oficial Exportar produtos primários é tão ruim assim? Dilma, o PT e o campo Kátia Abreu e Patrus se complementam no agronegócio Quando em maio de 2013 aceitei o convite para manter coluna semanal sobre o agronegócio neste site de CartaCapital, prom…

enfrentar o capitalismo global

Imagem
Blog do Liberato
http://blogdoliberato.blogspot.com.br/
http://blogdoliberato.blogspot.com.br/2015/09/zizek-nao-podemos-abordar-crise-dos.html

sábado, 19 de setembro de 2015 Žižek: não podemos abordar a crise dos refugiados sem enfrentar o capitalismo global PorSlavoj Žižek.*

Blog da Boitempo

“Nós não podemos abordar a crise dos refugiados sem enfrentar o capitalismo global. Os refugiados não chegarão à Noruega. Mas a Noruega que eles procuram sequer existe.” Em seu estudo clássico On Death and Dying, Elisabeth Kübler-Ross propôs o famoso esquema de cinco estágios de como reagimos ao saber que temos uma doença terminal: negação (a pessoa simplesmente se recusa a aceitar o fato: “Isso não pode estar acontecendo, não comigo.”); raiva (que explode quando já não podemos negar o fato: “Como isso pode acontecer comigo.”); negociação (a esperança de que podemos de alguma forma adiar ou diminuir o fato: “Apenas deixe-me viver para ver meu filho graduado.”); depressão (desinvestimento l…

Clube da Árvore: Como plantar uma árvore?

Clube da Árvore: Como plantar uma árvore?: Sempre procure plantar árvores, porém prefira a época das chuvas. Essa dica é fundamental para que a planta tenha seu desenvolvimento a...

Causa primeira, os interesses dos EEUU

Imagem
Blog do Liberato
http://blogdoliberato.blogspot.com.br/
http://blogdoliberato.blogspot.com.br/2015/09/russia-expoe-estrategia-clandestina-dos_19.html

sábado, 19 de setembro de 2015 Rússia expõe a estratégia clandestina dos EUA na Síria


MK BhadrakumarTraduzido por Coletivo de tradutores Vila Vudu O problema dos refugiados sírios vinha amadurecendo lenta e continuadamente e teria sido o pretexto perfeito para uma 'intervenção humanitária' comandada pelos EUA ["Bombardear para Proteger"] na Síria.  Mas a Rússia chegou antes, e o róseo plano norte-americano pode ter gorado.
Refugiados, por Gary Varvel, EUA As políticas dos EUA para o Oriente Médio vêm-se mantendo obcecadamente fixas em 'mudança de regime' na Síria há pelo menos uma década, desde a invasão do Iraque em 2003. (A agenda neoconservadora original planejava 'mudar' regimes no Iraque, Irã e Síria, mas deu em nada, quando os campos de matança no Iraque começaram a ditar a geopolítica.)


Não …