sábado, 14 de março de 2015

NO BRASIL OS PRINCIPAIS ACUSADORES TAMBÉM SÃO OS PRINCIPAIS ACUSADOS - Como posso acreditar no acusador?!

A Agência PT de Notícias publicou texto neste sábado (14) um texto que trata sobre a lista dos nomes brasileiros com contas no HSBC na Suíça, "um dos maiores esquemas de evasão fiscal e de divisas já relevados no mundo". "A relação traz representantes de grandes grupos de comunicação no País. Dentre eles, Folha, Globo, Abril, Bandeirantes, Verdes Mares, Rede Transamérica e outros arautos da moralidade", pontua. (Com o 247)

Abaixo o texto na íntegra:

Nesta madrugada, foi divulgada a lista com os nomes de brasileiros com contas no HSBC da Suíça, envolvidos num dos maiores esquema de evasão fiscal e de divisas já revelados no mundo. A relação traz representantes de grandes grupos de comunicação no País. Dentre eles, Folha, Globo, Abril, Bandeirantes, Verdes Mares, Rede Transamérica e outros arautos da moralidade.

O material foi divulgado após as manifestações em defesa da democracia, realizadas nesta sexta-feira por movimentos sindicais e sociais de todo o Brasil, e à véspera dos atos marcados para 15 de março, numa estratégia para tentar diminuir a repercussão do caso junto à sociedade.

A lista mais recente, divulgada pelo jornalista Fernando Rodrigues e pelo site do jornal “O Globo”, contém o nome do já falecido empresário Otávio Frias, fundador do Grupo Folha, e de seu filho, Luís Frias, um dos donos do Uol, como beneficiário de conta no paraíso fiscal.

O material também revela o nome de Lily Marinho, viúva de Roberto Marinho, da Globo, morta em 2011, com nada menos que US$ 750,2 mil. O material caiu como uma bomba dentro da organização que tentou desviar a atenção do caso relacionando o ex-marido de Lily, Horácio de Carvalho, morto em 1983, aos recursos.

Quatro integrantes da família Saad, da Rede Bandeirantes, também mantinham contas no HSBC, em Genebra. São eles, João Jorge Saad, a empresária Maria Helena Saad Barros, Ricardo Saad e Silvia Saad Jafet.

A conta de José Roberto Guzzo, colunista e membro do conselho editorial da Abril, um dos mais raivosos contra o governo e o Partido dos Trabalhadores, também foi revelada.

O apresentador do SBT, Carlos Massa, conhecido como Ratinho, manteve a bagatela de US$ 12,4 milhões nos cofres suíços.

Mona Dorf, jornalista ligada à Rádio Eldorado, tinha US$ 310 mil na conta.

Arnaldo Bloch, do extinto grupo Manchete, também foi correntista, assim como a família Dines, que, à época, manteve US$ 1,3 milhão no banco suíço.

Com US$ 120,5 milhões, Aloysio de Andrade Faria, dono da Rede Transamérica, tem a maior soma das contas. Em suas rádios críticas contra à corrupção são comuns por parte de seus jornalistas e apresentadores.

Depois dele, aparecem Yolanda Queiroz, Lenise Queiroz Rocha, Paula Frota Queiroz e Edson Queiroz Filho, do grupo Verdes Mares, que retransmite a Globo no Ceará, com US$ 83,9 milhões.

Ao Blog do Fernando Rodrigues, do Uol, todos eles disseram não terem cometido irregularidades. Além deles, aparece na lista Luiz Fernando Levy, que quebrou a Gazeta Mercantil, deixando dívidas tributárias e trabalhistas. Os registros indicam que 14 contas já estavam encerradas em 2007, quando os dados vazaram.

No Senado, a CPI do HSBC aguarda a indicação dos membros pelos partidos para que as investigações sobre o caso sejam iniciadas.




Agregar leyenda 

a guerra de desinformação

A grande mídia de Direita (Globo, Folha, Band) e a guerra de desinformação sobre a Venezuela

  

 
1º Quando a Rede Globo teve engolir seu próprio veneno fascista por meio da lucidez acadêmica - extraído da Rede Brasil Atual


Entre Aspas

Uma aula de Venezuela e um pito na Globo, em plena Globo

Em debate na Globonews, Igor Fuser, professor de Relações Internacionais da UFABC, explica a crise, derruba o mito da ‘falta de liberdade’ no país vizinho e desnuda a parcialidade da imprensa.
Texto de Paulo Donizetti de Souza, da RBA publicado 19/02/2014 14:30, última modificação 19/02/2014 18:47
 

Igor: "Em 15 anos de chavismo nunca vi uma notícia positiva. Será que os venezuelanos são burros"?
São Paulo – O professor de Relações Internacionais da USP José Augusto Guillon e a apresentadora Mônica Waldvogel, do programa Entre Aspas, da Globonews, chegaram ao limite da gagueira, ontem (18), durante debate a respeito da crise na Venezuela com a participação do jornalista Igor Fuser, do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC (UFABC). O debate começa dirigido, ao oferecer como gancho para a discussão a figura de Leopoldo López, o líder oposicionista acusado de instigar a violência nos protestos das últimas semanas, e preso ontem.

Diz a narração de abertura: “Ele é acusado de assassinato, vandalismo e de incitar a violência. Mas o verdadeiro crime de Lopez, se podemos chamar isso de crime, foi convocar uma onda de protesto contra o governo de Nicolás Maduro. Protestos seguidos de confrontos que deixaram quatro mortos e dezenas de feridos”. E segue descrevendo que a violência política decorre da imensa crise no país – inflação, falta de produtos nas prateleiras, criminalidade em alta. Ainda no texto de abertura, na voz de Mônica, o governo é acusado de controlar a economia e a Justiça, pressionar a imprensa e lançar milícias chavistas contra dissidentes. E encerra afirmando que Leopoldo Lopez, na linha de frente, reivindica canais de expressão para os venezuelanos, e abrem-se as aspas para Lopez: “Se os meios de expressão calam, que falem as ruas”.

Do início ao fim do debate, com serenidade e domínio sobre o assunto, Igor Fuser leva a apresentadora e o interlocutor às cordas. Reconhece as dificuldades políticas do presidente Nicolás Maduro e a divisão da sociedade venezuelana. Mas corrige os críticos, ao enfatizar que o país vive uma democracia, e opinar que a campanha liderada por López é “golpista”, ao ter como mote a derrubada do governo legitimamente eleito com mandato até 2019.

Fuser informa que em dezembro se cristalizou um processo de diálogo entre governo e oposição, então liderada por Henrique Capriles, derrotado nas duas últimas eleições presidenciais por margem muito pequena de votos. E que a disposição ao diálogo levou a direita mais radical a isolá-lo, permitindo a ascensão de figuras como Leopoldo López. Indagado se não seria legítimo as manifestações da ruas pedirem a saída do governo, como foi no Egito ou está sendo na Ucrânia, o professor da UFABC resume que as manifestações na Ucrânia são conduzidas por nazistas, e no Egito a multidão protestava contra uma ditadura. Lembra que na Venezuela houve quatro eleições nos últimos 15 meses, que o chavismo venceu todas no plano federal, mas que as oposições venceram em cidades e estados importantes, governam normalmente e as instituições funcionam, e que a Constituição é cumprida.

Questionado sobre a legitimidade da Constituição – que teria sido sido aprovada apenas por maioria simples – informou que a Carta, depois de passar pelo Parlamento, foi submetida a referendo popular e aprovada por 80% dos venezuelanos – o que inclui, portanto, mais da metade dos que hoje votam na oposição. E à ironia dos debatedores, de que seria paranoia das esquerdas acusar os Estados Unidos de patrocinar uma suposta tentativa de golpe, esclareceu: os Estados Unidos estiveram por trás de tantos golpes da América Latina – na Guatemala nos anos 1950, no Brasil em 1964, no Chile em 1973, na própria Venezuela em 2002 – que não é nenhum absurdo supor que estejam por trás de mais um. E que também não é absurdo, em nenhum país do mundo, expulsar diplomatas que se reúnem com a oposição como se fossem dela integrantes.

O jornalista desmontou também os argumentos de que o país sofre de ausência de liberdade de expressão. Disse que o governo dispõe, de fato, de jornais, canais de rádio e de televisão importantes, mas que dois terços dos veículos de imprensa da Venezuela são controlados por forças oposicionistas. E que o que existe na Venezuela seria, portanto, a possibilidade de contraponto. E Fuser foi ferino no exemplo dos problemas que a ausência de diversidade nos meios de comunicações causam à qualidade da informação: “Sou jornalista de formação e nunca vi nem na Globo nem nos jornais brasileiros uma única notícia positiva sobre a Venezuela. Uma única. A gente pode ter a opinião que a gente quiser sobre a Venezuela, é um país muito complicado. Agora, será que em 15 anos de chavismo naõ aconteceu nada positivo? Eu nunca vi. Não é possível que só mostrem o que é supostamente ruim. Cadê o outro lado? Será que os venezuelanos que votaram no Chávez e no Maduro são tão burros, de votar em governo que só faz coisa errada?”

Vale a pena assistir aos 26 minutos de programa. Essa crítica à Globo em plena Globo está nos dois minutos finais.

E fecha aspas! Fecha aspas!

2º A Guerra de Desinformação da imprensa Golpsta - Extraído do Vi  o Mundo


Rodrigo Vianna: No Brasil e na Venezuela, a guerra da desinformação

publicado em 17 de fevereiro de 2014 às 18:35


 


Black Bloc venezuelano, na concepção de Vitor Teixeira

A batalha da América Latina

Brasil e Venezuela: a guerra da informação

publicada domingo, 16/02/2014 às 21:16 e atualizada segunda-feira, 17/02/2014 às 14:00

por Rodrigo Vianna, em seu blog

São tristes, preocupantes, mas não chegam a surpreender as cenas de violência e confronto aberto na Venezuela. Nos últimos 6 anos, estive lá cinco vezes – sempre na função de jornalista. Há um clima permanente de conflagração.

As TVs privadas, com amplo apoio das classes médias e altas, tentaram dar um golpe em 2002 contra Hugo Chavez (sobre isso, há umdocumentário excelente – “A Revolução Não Será Televisionada”). Chavez resistiu ao golpe com apoio dos pobres de Caracas – que desceram os morros para apoiá-lo – e de setores legalistas do Exército. Desde então, o chavismo se organizou mais, criou uma rede de TVs públicas para se contrapor ao “terror midiático” (como dizem os chavistas), e se organizou  no PSUV (ainda que o Partido Comunista, também chavista, tenha preferido manter sua autonomia organizacional).

Jornais e meios de comunicação jamais tramaram golpes no Brasil com apoio da CIA…

É preciso lembrar que TVs e revistas brasileiras (Globo e Veja) comemoraram o golpe contra Chavez em 2002 – e se deram mal porque ele voltou ao poder 2 dias depois.

Nas ruas de Caracas, ano a ano, só senti o clima piorar. Confronto permanente. Acompanhei na região de Altamira, em Caracas, o ódio da classe média pelos chavistas. Com a câmera ligada, eles não se atrevem a tanto, mas em conversas informais surgiam sempre termos racistas para se referir a Chavez – que tinha feições indígenas, mestiças, num país desde sempre dominado por uma elite (branca) que controlava o petróleo.

O chavismo tinha e tem muitos problemas: dependia excessivamente da figura do “líder”, a gestão do Estado é defeituosa, há problemas concretos (coleta de lixo, segurança etc). Mas mesmo assim o chavismo significou tirar o petróleo das maõs da elite que quebrou o país nos anos 80. Além disso, enfrenta o boicote econômico permanente de uma burguesia que havia se apropriado da PDVSA (a gigante do Petróleo venezuelana).

O chavismo sobreviveu à morte de Chavez. O chavismo, está claro, não é uma “loucura populista” ou uma “invenção castrista” – como querem fazer crer certos comentaristas na imprensa brasileira. O chavismo é o resultado de contradições e lutas concretas do povo venezuelano – lutas que agora seguem sob o comando de Nicolas Maduro, que evidentemente não tem o mesmo carisma do líder original.

Vejo muita gente dizer que o “populismo” chavista quebrou a Venezuela. Esquecem-se que a economia venezuelana cambaleava muito antes de Chavez. Esquecem-se também que o tenente-coronel Hugo Chavez Frias não inventou a multidão nas ruas. A multidão é que inventou Chavez. A multidão precedeu Chavez. Em 89, o governo neoliberal de Andres Perez ameaçou subir as tarifas públicas – seguindo receituário do FMI. O povo foi pra rua, sem nenhuma liderança, noCaracazo (uma rebelião impressionante que tomou as ruas da capital).

O chavismo foi a resposta popular à barbárie liberal, foi uma tentativa de dar forma a essa insatisfação diante do receituário que vinha do Norte. Os responsáveis pela barbárie liberal tentam agora retomar o poder – com apoio dos velhos sócios do Norte. E nada disso surpreende…

O que assusta é o nível dos comentários sobre a Venezuela nos portais de notícia brasileiros.
Há pouco, eu lia uma postagem do “Opera Mundi” (sítio de esquerda, mas hospedado no UOL). Quem tiver estômago pode conferir as pérolas dos leitores… Resumo abaixo algumas delas:

– “A VENEZUELA SERÁ PALCO DA PRIMEIRA GUERRA CIVIL PLANEJADA PARA A TOMADA DO PODER COMUNISTA NA AMÉRICA LATINA.”

– “O chavismo conseguiu levar a Venezuela à falência. Um país sem papel higiênico e muita lambança comunista para limpar.”

– “Aquele pais virou um verdadeiro lixo, podia ser uma potencia de tanto petroleo que tem, mas o socialismo acabou com tudo. O que sobrou foi uma latrina gigante.”

– “Vai morar na Venezuela então , por mim os venezuelanos tem que matar o maduro.”

– “É fácil quando a eleição é manipulada. Maduro ganhou pq roubou a eleição como foi comprovado.”

Envenenados pela “Veja”, “Globo” e seus colunistas amestrados, esses leitores são incapazes de pensar por conta própria. Repetem chavões anticomunistas, e seriam capazes de implorar pela invasão da Venezuela pelos EUA.

Desconhecem a história da Venezuela pré-Chavez… Não sabem o que é a luta pela integração da América Latina – diariamente combatida pelos Estados Unidos.

Se Maduro sofrer um golpe, se os marines desembarcarem em Caracas, muitos brasileiros vão aplaudir e comemorar. Não são ricos, não são da “elite”. São pobres. Miseráveis, na verdade. Indigentes em formação. Vítimas da maior máquina de desinformação montada no Brasil: o consórcio midiático (Globo/Veja/Folha e sócios minoritários) que Dilma pretende enfrentar na base do “controle remoto”.
A América Latina pode virar, nos próximos anos, mais um laboratório das técnicas de ocupação imperialista adotadas no século XXI. Terror midiático, ataques generalizados à “política”, acompanhados de ações concretas de boicote e medo – sempre que isso for necessário.

Não é à toa que movimentos “anarquistas” e “contra o poder” tenham se espalhado justamente pelos países que de alguma forma se opõem aos interesses dos Estados Unidos.

O imperialismo não explica, claro, todos os problemas de Venezuela, Brasil, Argentina. Temos nossas mazelas, nossa história de desigualdade e iniquidade. Mas o imperialismo explica sim as seguidas tentativas de bloquear o desenvolvimento independente de nossos países.

A morte de Vargas no Brasil em 1954, a derrubada de Jacobo Arbenz na Guatemala no mesmo ano, e depois a sequência de golpes no Brasil, Uruguai, Argentina e Chile (anos 60 e 70) são exemplos desse bloqueio permanente. Não é “teoria conspiratória”. É a História, comprovada pelos documentos que mostram envolvimento direto da CIA e da Casa Branca nos golpes.

A Venezuela não precisou de golpes. Porque tinha uma elite absolutamente domesticada. Com Chavez, essa história mudou. A vitória de Chavez foi o começo da “virada” na América do Sul.

Os Estados Unidos e seus sócios locais empreendem agora um violento contra-ataque. Na Venezuela, trava-se nas ruas um combate tão importante quanto o que se vai travar nas urnas brasileiras em outubro. Duas batalhas da mesma guerra. E pelo que vemos e lemos por aí, o terror midiático fez seu trabalho de forma eficiente: há milhares de latino-americanos dispostos a trabalhar a favor da “reocupação”, da “recolonização” de nossos países.

Por isso, essa é uma guerra que se trava nas ruas, nas urnas e também nos meio de Comunicação. Uma guerra pelo poder nunca deixa de ser também uma guerra pelos símbolos, uma guerra pela narrativa e pela informação.

3 - Quando um professor inglês deu uma lição num coxinha britânico:



Leia também:

FrancoAtirador: Como a Veja transformou Sininho em líder dos black blocs

A difícil tarefa de explicar o óbvio

A difícil tarefa de explicar o óbvio

Combate à corrupção: A difícil tarefa de explicar o óbvio…

Policia_Federal06
Somando os governos Lula e Dilma, foram 2.226 operações da Polícia Federal contra crimes do colarinho branco, contra apenas 48 operações na era FHC.
Robson Leite, via Carta Maior
Meu querido companheiro e amigo Juarez Guimarães, professor da UFMG, conta uma interessante e pedagógica história que ajuda muito na leitura e compreensão do atual momento em que vivemos no país: “imagine uma casa muito antiga – do início do século passado – que nunca sofreu qualquer tipo de limpeza, reforma ou dedetização. Ao ser vendida, o novo dono decide fazer uma faxina geral e uma dedetização em todos os cômodos dessa casa. Com essa ação, surgem centenas de ratos, baratas, aranhas e cupins para tudo que é lado, passando a sensação de que a casa está mais suja e infestada de insetos e bichos do que antes. Claro que se trata de uma falsa impressão, pois na verdade o que se está fazendo é uma limpeza de verdade, como nunca fora feita nos quase 200 anos de existência daquela casa”. Essa história retrata bem o que acontece hoje em nosso país. Porém, infelizmente, boa parte da nossa sociedade, influenciada por um setor da mídia que deseja desgastar o governo de qualquer maneira, acredita que o país esteja mais corrupto, quando na verdade o que se está fazendo é um combate efetivo à corrupção como nunca se viu em nossa história.
Vamos analisar, por exemplo, o recente caso de corrupção cometido por alguns servidores da Petrobras. Esse caso foi descoberto por mais uma operação da Polícia Federal que, assim como nos últimos 12 anos, atuou de maneira independente e autônoma. É evidente que essa condição é mais do que uma obrigação em um estado democrático de direito, uma vez que o combate efetivo à corrupção se dá nesses princípios, mas o problema é que em um passado não muito distante, mais precisamente no governo FHC, não era assim; basta lembrar os diversos casos de corrupção daquele período em que a Polícia Federal não agia, já que os delegados responsáveis pela investigação, quando desagradavam os “interesses do governo”, eram “transferidos compulsoriamente” para outros estados.
A mudança de postura da Polícia Federal, que acabou se tornando uma marca dos dois últimos governos no que tange o combate à corrupção, refletem-se nos números: foram mais de mil operações contra os chamados “crimes do colarinho branco” apurados pela Polícia Federal só no Governo Lula (somando os governos Lula e Dilma foram 2.226 operações!) contra apenas 48 operações na era FHC. Detalhe importante: nenhuma dessas investigações da era Tucana foi contra o governo, já que todas as denúncias daquela época (e eram muitas) foram arquivadas pelo procurador-geral da República – que chegou a ganhar o apelido de “engavetador-geral da República”. Triste página da nossa história que só colaborou com o aumento da impunidade.
Também cabe destacar, dentro desse contexto, que todos os casos de corrupção até agora descobertos pela Polícia Federal tem origem no financiamento empresarial das campanhas políticas. O que soa estranho é que raramente encontramos editoriais dos grandes jornais pautando a proibição do financiamento privado de campanhas ou sugerindo uma reforma política que enfrente esse assunto. A própria proposta da Coalização Democrática, elaborada pela OAB e que traz significativos avanços na legislação eleitoral, não encontra espaço nesse debate dentro dos grandes jornais. Será que o mesmo grande capital privado que financia campanhas, amarrando compromissos políticos, também não financia os grandes jornais e redes de tevê e rádio de forma a impedir ou deturpar o debate sobre o financiamento público de campanhas e até de outros temas? Neste caso, é exemplar a história sobre a lista com milhares de milionários brasileiros que têm contas na Suíça e que não recebeu nenhuma atenção por parte da dita grande imprensa brasileira.
Há outro elemento na questão do combate à corrupção que não pode ficar de fora dessa análise e que é muito bem exemplificado em uma situação bastante curiosa que aconteceu recentemente comigo. Ao pegar um táxi no centro da cidade há alguns dias, o motorista reclamou sistematicamente da “corrupção generalizada do atual governo”. Era contundente e duro dizendo que “todos os limites éticos foram superados”. O curioso foi que ele fazia esses comentários ao mesmo tempo em que trafegava pelo acostamento, fechava os demais veículos mudando de faixa e chegou ao cúmulo de, no final da viagem, perguntar “se eu queria recibo e qual o valor que ele deveria preencher no mesmo”. Evidentemente que eu respondi para ele colocar o valor exato do taxímetro, pois eu, assim como ele, não tolerava nenhum tipo de desvio ético. Esse exemplo que eu trago é para mostrar também que a corrupção, agora descoberta e pela primeira vez combatida efetivamente pelos dois últimos governos, não é restrita aos agentes públicos. Ela está inserida na sociedade.
Precisamos ser intolerantes com a corrupção como um todo! Jogar fora os equivocados princípios do terrível dito popular que diz: “farinha pouca, meu pirão primeiro”; precisamos refletir sobre o nosso papel como cidadãos, que vai desde a educação dos nossos filhos, passando pela relação que estabelecemos com os nossos vizinhos e chegando, inclusive, à nossa postura profissional em nossos empregos. Devemos fazer como dizia Gandhi: “ser a mudança que queremos no mundo”, e isso vale tanto para as coisas mais simples do cotidiano como as maiores e mais complexas na organização de uma sociedade.
Robson Leite é funcionário concursado da Petrobras, tendo sido deputado estadual pelo PT do Rio de 2011 a janeiro de 2014 e autor da Emenda à Constituição do Estado do Rio de Janeiro que garante o ficha limpa para todos os cargos de livre-nomeação e para todos os conselheiros do TCE/RJ.

Gostar de ser enganado

Gostar de ser enganado

As pessoas gostam de ser enganadas

1 3746
Crédito da Imagem: Jeremy Danger Pictures.
Por Peter Moon.
O psicólogo e escritor americano diz que é mais fácil acreditar em esquisitices — como mediunidade, horóscopo e discos voadores – que pensar e questionar.
"A diferença entre um mágico e um médium, é que o mágico confessa fazer truques, enquanto o paranormal afirma ter poderes que o habilitam a ler pensamentos, prever o futuro ou falar com os mortos. Basta ao médium dizer que tem poderes para as pessoas crerem. Faz parte da natureza humana", afirma o psicólogo e escritor americano Michael Shermer, de 57 anos, diretor da Sociedade Cética e da revista Skeptic. "Não evoluímos para duvidar ou ter visão crítica. Isso exige educação e reflexão. Crer é mais fácil." Nesta entrevista, ele fala sobre os temas de seu livro Por que as pessoas acreditam em coisas estranhas, e ataca a farsa por trás da crença em discos voadores, bruxas, quiromancia e mediunidade.
ÉPOCA - Por que as pessoas acreditam em esquisitices?
SHERMER - A razão básica está em nosso cérebro, programado pela evolução para enxergar o mundo e procurar razões sobrenaturais para explicar eventos da natureza.
ÉPOCA - Dê um exemplo, por favor.
SHERMER - Nas sociedades tribais, o pajé até hoje é aquele que detém os conhecimentos que podem salvar os membros da tribo em momentos decisivos. São os pajés que sabem quais são as plantas e raízes com poderes curativos. São eles que decretam que tal região virou tabu, tornando-a um local proibido e dando chance à fauna para se recompor. Anos depois, num momento de escassez, é o pajé quem tem o poder para liberar a volta dos caçadores ao local, salvando a tribo da fome. Esse tipo de poder sempre foi exclusivo dos magos, dos pajés e dos sacerdotes. Logo, acreditar em seus emissários significava a própria salvação. Quando o pajé dizia que enxergava o futuro, que os membros da tribo deveriam caçar ou buscar água em tal região, e que a salvação de todos estaria em fazer o que ele dizia, tudo não passava de uma profecia autorrealizável. Só isso.
ÉPOCA - Há os que afirmam ver coisas sobrenaturais e outros que dizem ouvir o canto dos anjos ou o lamento dos mortos.
SHERMER - Somos animais sociais, e o cérebro foi programado para reconhecer rostos e fisionomias. Por isso, temos a tendência de enxergar faces escondidas no desenho das nuvens, nas manchas de um sudário ou nas rochas da superfície de Marte. Pela mesma razão, basta olhar as nuvens para reconhecer nelas as formas de diversos animais. Essa também é uma herança evolutiva, já que por milênios reconhecer a existência de um animal escondido na paisagem poderia significar a diferença entre a vida e a morte. Qualquer pessoa também pode dizer que fala com os mortos. Não tem nada de mais. Difícil é conseguir fazer os mortos responderem. Todas as alegações como essas que foram investigadas a sério acabaram revelando a existência de microfones escondidos na mobília, nas paredes ou no forro. Nenhuma fotografia pretensamente tirada de um disco voador sobreviveu a um exame detalhado. São todas alegações falsas, montagens feitas para iludir. Embora seja possível que algumas alegações de eventos paranormais, mediúnicos ou ufológicos possam ser verdadeiras, a verdade é que a maior parte delas é falsa, e o mais provável é que todas não passem de pura farsa.
ÉPOCA - Por que as mulheres parecem acreditar mais em esquisitices que os homens?
SHERMER - Não é verdade. Homens e mulheres, indistintamente, têm a mesma tendência para acreditar nessas coisas. O que muda é o tipo de esquisitice. Mulheres acreditam mais em mediunidade, espiritismo, cartomantes, bruxaria, amuletos, terapias alternativas, curandeiros e simpatias. Os homens preferem acreditar em paranormalidade, pseudociência, criacionismo e objetos voadores não identificados.
ÉPOCA - Por que as pessoas diferenciam um mágico profissional que faz truques de um médium que diz ser paranormal?
SHERMER - É porque o mágico confessa que faz um truque, mas não revela seu segredo. Isso tem razões históricas. A magia é tão antiga quanto as artes adivinhatórias. Há vários séculos, no tempo da Inquisição, os mágicos que ganhavam a vida seguindo as feiras regionais na Europa medieval foram sensatos em confessar que não eram bruxos. Eles confessaram que faziam truques para não acabar na fogueira. Sua confissão retirou dos mágicos profissionais a aura sobrenatural, a qual, embora tentem até hoje, nunca conseguiram resgatar.
ÉPOCA - E as cartomantes e os adivinhos?
SHERMER - A maioria acabou na fogueira. As cartomantes e os adivinhos, os médiuns atuais, foram perseguidos porque alegavam deter poderes sobrenaturais. Eles afirmavam que conseguiam prever o futuro e influenciar o destino das pessoas. Ora, esses eram atributos exclusivos da Igreja Católica. Os mesmos inquisidores que se mostraram brandos com os mágicos não pouparam de sua ira persecutória cartomantes e adivinhos, todos eles rotulados de bruxos seguidores da magia negra. Os médiuns e charlatões da atualidade não correm esse risco. Por isso podem afirmar sem medo que têm visões, que falam com os mortos, enxergam o passado, o presente e o futuro. Ou alegar que leem a sorte e influenciam o destino de uma pessoa olhando as cartas do tarô, as linhas da palma da mão, o alinhamento dos planetas de um mapa astral, os reflexos de uma bola de cristal ou a borra de uma xícara de café.
ÉPOCA - Por que as pessoas insistem em acreditar que essas alegações são verdadeiras?
SHERMER - Porque os médiuns afirmam que são verdadeiras. Basta aos médiuns, curandeiros e pais de santo dizer que têm visões e preveem o futuro para que as pessoas acreditem. Faz parte da natureza humana. Não evoluímos para duvidar ou questionar. Desenvolver um senso crítico e uma visão própria de mundo exige educação, reflexão e tempo. Crer é muito mais fácil. As pessoas preferem ser enganadas.
ÉPOCA - Quem pede remuneração para fornecer um bem ou serviço que não existe pode ser processado. Por que isso não se aplica ao “trabalho profissional” de cartomantes e médiuns?
SHERMER - Porque adivinhos e paranormais se protegem atrás dos direitos universais da liberdade de opinião, de expressão, de reunião e de religião. É muito difícil ou quase impossível provar que um sujeito não escuta vozes interiores ou fala com os anjos se ele assim o afirma. Os religiosos e os crentes das religiões ditas oficiais poderiam ser investigados e processados exatamente pelas mesmas alegações, pois suas religiões aceitam doações em dinheiro como as cartomantes. Seus membros também alegam ter um canal direto de comunicação com o sobrenatural, assim como as cartomantes.
ÉPOCA - Por que gente inteligente crê em esquisitices?
SHERMER - Foi para dar título ao livro que escolhi chamar o conjunto de crendices e enganações reivindicadas por médiuns e paranormais de “coisas estranhas”. Palavras mais corretas seriam farsa ou enganação. São atos na maioria das vezes criados para iludir e enganar. Em certas circunstâncias, podem ser classificados como delírios, quando seus devotos acreditam que viveram ou vivem uma experiência extraordinária, inexplicável, extrassensorial. Ainda assim, há explicação para tudo. Quem tem uma boa formação cultural e crê nessas fantasias o faz em duas possibilidades. Ou se trata de um indivíduo conivente com a farsa ou é alguém que sofreu de um surto psicótico, é esquizofrênico e, portanto, doente, ou teve uma alucinação. O estado alterado de consciência pode ser fruto da ingestão de alucinógenos como a ayahuasca, o mescal ou o LSD. Episódios psicóticos também podem ser causados pela privação de sono e pelo cansaço extremo. Para tudo há uma explicação. Se ela convence o crente, o doente ou o usuário, é outra questão.
ÉPOCA - O que acha da religiosidade e do sincretismo humanos?
SHERMER - Sou ateu e sou otimista. Até a Idade Média, éramos uma espécie controlada pela fé e dominada por suas crendices e seus medos. Hoje, dezenas de milhões de pessoas nos países ricos se declaram ateias. A religiosidade, pelo menos na Europa e nos Estados Unidos, recua ano a ano.
ÉPOCA - Não é assim no Brasil nem nos países em desenvolvimento.
SHERMER - À medida que o padrão de vida subir, a elevação da escolaridade e da educação científica reduzirá o porcentual de religiosos na população. É um caminho sem volta. Basta os governos investirem em educação de qualidade.
ÉPOCA - Um argumento dos religiosos para desqualificar os ateus é que eles escolheram não crer num deus e que essa é sua crença.
SHERMER - Se os religiosos querem acreditar num deus bondoso, num paraíso com100 mil virgens ou seja lá o que for, não dou a mínima. Os religiosos não me interessam. O que me interessa são as centenas de milhões de pessoas que não seguem religião nenhuma e nunca vão à igreja.
ÉPOCA - Quer dizer que, para o senhor, a religião é inofensiva?
SHERMER - O problema começa quando seus seguidores usam a religião para lançar aviões contra arranha-céus, jogar bombas em clínicas de aborto (nos Estados Unidos), mutilar mulheres, restringir os direitos individuais e alterar a legislação para proibir o ensino da evolução. Eles querem obrigar as crianças a aprender o criacionismo, uma doutrina religiosa travestida de verdade científica.

Entrevista publicada na The Work of Michael Shermer.

Capitalismo Canibal

Capitalismo Canibal


O blogue dos leitores-escritores de cartas para jornais

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Anselm Jappe ou o Capitalismo Canibal


Quando uma grande Verdade, que desmente as versões oficiais da Novílingua oficial do Economês, é dita,  costuma ouvir-se um silêncio atroador. O Espaço Público, o nosso e o dos outros países europeus, foi tomado de assalto pelos arautos de ultra-liberalismo, que não admitem contradições, qual guardiões da Austeridade que, juram eles, nos há-de salvar, matando-nos de carestia.
Ás vezes parece que vivemos na Velha Esparta. Somos - os Europeus do Sul - atletas da Fome, do desalento, dos impostos altíssimos, e (sobre)vivemos como concorrentes famintos de um qualquer Big Brother televisivo, manipulados pelo Clube oficial da MitleEuropa, liderado pelo braço de Ferro da Senhora Merkell.
Ora bem, como os milagres de vez em quanto acontecem, neste Domingo, além da excelente entrevista a Miguel Esteves Cardoso, tivemos uma lúcida conversa com o filósofo alemão Anselm  Jappe. Dela extrai uma ideia que me parece de uma lógica irrebatível: o trabalho está a tornar-se um bem escasso, os consumidores estão a retrair-se e, como consequência, o Mercado está a auto-destruir-se por falta de recursos dos cidadãos.
Ao contrário do método Medina Carreira que consiste em arrassar tudo, sem analisar nada, Jappe olha para mais longe, para esse Futuro impossível, em que a Economia se matará a si própria, e o Capitalismo devorará as suas entranhas, como um Canibal embrutecido.
Será que os Srs. Economistas acham normal que um país de 9, 5 milhões de habitantes tenha cerca de 20% de desempregados ? Em nome de quê ou de quem se destroi a vida das pessoas, das Empresas, se deixa as pessoas sem Trabalho e se espera, absurdamente, que o sacrossanto Mercado funcione, por Divina providência ?
Por favor, leiam este artigo. Vale mil vezes todos os programas do insuportável Medina Carreira e do seu moralismo bacoco .

Rui Marques

3 comentários:

  1. Céu Mota22 de abril de 2013 às 17:05
Li a entrevista do PÚBLICO ao filósofo alemão.
Ficou-me a ideia de que temos que repensar o conceito de trabalho, sem dúvida.
E voltar a um certo primitismo da comunidade e daquilo que efectivamente são as nossas necessidades. Um bom tema.

  1. Joaquim Carreira Tapadinhas22 de abril de 2013 às 17:21
Não sei a que propósito é referido, depreciativamente, Medina Carreira no artigo que analisa os comportamentos sociais numa sociedade embrutecida, e sem respeito pelos cidadãos, que nela se inserem e a suportam. Medina Carreira é um homem prático que chama os bois pelos nomes e não se fixa em teorias, por vezes respeitáveis, mas que não passam de teorias enquanto as práticas não confirmarem os seus propósitos. Medina Carreira, que se saiba, não tem rabos de palha e enfrenta a demagogia do poder com muita frontalidade.

  1. Pedro Carneiro23 de abril de 2013 às 10:15
Se a população aumenta exponencialmente todos os anos na ordem dos milhões de seres humanos e se a máquina vai substituindo o homem em inúmeras tarefas não será necessário ser filósofo para perceber que o trabalho como o temos vindo a encarar desde a Revolução Industrial vai ser cada vez mais escasso. O conceito vai-se manter o que vão é haver cada vez mais desempregados. Tal como hoje em dia é normal a existência de campos de refugiados em África, o que não se via há sessenta anos atrás, no futuro serão campos de desempregados a novidade. É toda esta sociedade e de como ela está estruturada que vai sofrer alterações.

Capitalismo Canibal

Capitalismo Canibal
Escuela De Odio

Capitalismo Canibal lyrics

New! Read & write lyrics explanations
  • Highlight lyrics and explain them to earn Karma points.
Cafre, friу y sin sentimientos, produce sucio dinero, el arrasa y se
Apodera
De todo lo que sean beneficios.
Nada, nada puede controlarlo, nadie logra derribarlo, el poder es su criado
Asн йl dirige su mandato.
Encana y Shell destrozan el Amazonas.
El petrуleo se sangra en bolsa como civiles en Irak.
Capitalismo canнbal!
Crece, enriquece y todos deben.
Pobreza con deuda externa sin escrъpulos devora y asesina.
El control su vida.
Sangra, explota la carne humana.
No le importan consecuencias.
El mercado le hace dueсo.
Йl pone y quita sus precios.
Йl, el capital, hace llorar, el capital, hace sangrar.
Hace llorar. Hace llorar y hace matar.
Йl, el capital asesina. ЎEl capital asesina!
Sueсo, sueсo con ver muerto el poder, que nos ahoga cada vez mбs.
Juegan como niсos al palй. Quitan y ponen divisas.
Descuartizan los entornos, agotan todos sus recursos.
Muertes, sus pilares son masacres.
Cuerpos flotan entre sangre.
Diseccionan y acumulan los valores. Nadie es culpable.
El FMI equilibra el Euro con el Dollar.
La miseria crece y el capital la protege.