domingo, 1 de março de 2015

Verdade plena existe?

Verdade Absoluta Existe?



Estamos sempre procurando a verdade.
A verdade por trás dos mistérios da vida, a verdade das grandes realizações humanas; uma ideal de vida verdadeiro, uma fé verdadeira, o deus verdadeiro.
Mas qual é a verdade na qual cremos estar vivendo?
Será que a "minha" verdade é única? Pois se só existe uma verdade alguém tem de estar errado e enganado.
É mesmo possível que apenas uma história conte a trajetória humana na terra e carregue a verdade absoluta sobre quem somos, qual é nosso papel, como surgimos e para onde vamos?
Não é preconceito achar que documentos antigos, que contam histórias mirabolantes, os quais alguém decidiu que eram a verdade, e empurraram-nos goela abaixo, são a única fonte de credibilidade para explicar nosso mundo?

                         Estátuas Sumérias
Desde que surgiram, provavelmente na Suméria, as religiões guiaram o homem em sua busca de explicações de fenômenos, que hoje sabemos serem naturais, agindo como entendimento sobre vida e morte, como reguladores de comportamento e para o alcance de existência eterna e incorruptível.
O problema com as religiões é que cada uma delas procura se afirmar como a "verdade" indubitável da vontade de Deus, como o guia completo e complexo da vida.
É claro que não devemos esquecer que existem aquelas religiões que não se auto-afirmam como a verdade universal, mas servem mais como uma busca do conhecimento de si próprio, de respeito a natureza ou algum ideal filosófico.
Mas o restante, principalmente as ramificações da fé judaico-cristã-muçulmana, abordam a realidade com a afirmação máxima de serem "a verdade absoluta" do cosmos. Que seus deuses patriarcas são os únicos deuses reais e os outros vão para o inferno, ou algo do tipo.
No entanto se observarmos a história veremos que a verdade é mutável e se apresenta como algo pormenorizado e particularizado em cada povo, cada país, cada religião, cada deus e cada comportamento humano.
                                Egito antigo
Imagine dizer a um faraó egípcio, muitos séculos atrás, que sua fé estava equivocada e que preparar o corpo para a "vida" após a morte é uma coisa absurda, levar seus tesouros e até empregados para o túmulo é algo sem sentido e cruel. Provavelmente você iria ser morto antes de pronunciar metade destas: blasfêmias.
Egípcios antigos eram loucos por essa luta eterna de vida e morte e seu ritmo de vida era ditado por essas crenças. Era a verdade aceita e que dominava seu cotidiano, não importando a opinião de hebreus, assírios ou qualquer outro povo vizinho.
                              Adolf Hitler
Hitler tinha a fé cega de que uma raça superior, a dos "arianos", era a raça perfeita e que os demais humanos não eram nada mais que lixo. Para ele essa era a verdade.
Que os judeus eram a fonte de todo mal e depravação do mundo. Mundo esse que precisava ser modificado e habitado apenas por seres perfeitos, os de sua, pretensa, raça.  Hitler causou a morte de milhões de pessoas em função de sua crença, de sua busca pela raça perfeita, a qual acreditava ser a veradade absoluta.
                             Muçulmanos
Da mesma forma os muçulmanos radicais acreditam estar na posse da verdade universal e, por isso, tem o direito cabal de devolver o mundo as mãos de Alá. Limpando, entenda-se matando, o mundo dos depravados e descrentes de sua fé.
Eles desejam dominar o planeta para adequa-lo a sua fé e crença, destruindo todas as demais por se tratarem de blasfêmias.
                              Cristianismo
Sem dúvida a "verdade" que mais sofreu mudanças ao longo dos últimos dois milênios foi o cristianismo. De fé dos pobres e oprimidos a crença do estado mais rico do planeta terra.
De perseguidores de "bruxas" a irmãos amorosos que aceitam as diferenças. De soldados treinados para decapitar índios, ou pagãos, a benfeitores dispostos a sacrifícios em nome de Deus.
Você consegue imaginar o que era a verdade para cristãos do 1° século comparada a verdade do cristão de hoje?
Você poderia pensar em o que um soldado cruzado entendia por verdade e vontade divina, comparado a o que o "soldado de Cristo" pensa atualmente?
Eu nasci em uma época que os evangélicos do Brasil achavam que esporte incitava a competitividade e, portanto a disputa, disputa é do diabo e a prática do esporte, portanto era coisa do DIABO!
Hoje vemos evangélicos esportistas erguendo as mãos aos céus para agradecer a Deus por uma vitória, uma conquista ou uma medalha.
Então pergunto-lhe novamente amigo leitor:
Existe verdade absoluta?
Jesus afirmou ser a verdade absoluta, que só é possível se achegar a Deus por ele.
Diga a um judeu que Jesus é a verdade, ele provavelmente não vai engolir essa.
Diga a um cristão que se alcança o céu com meditação e humildade, ele vai ficar irritado e desaprovará o fato.
Como é que apenas uma história pode contar a odisséia do homem neste planeta?
Como é que só uma fé é a salvação?
Como vimos a verdade é mutável, depende de onde nascemos, em que época estamos, que ela é pessoal, que é passageira, que logo muda de figura, que, enfim, está no imaginário de cada época, geração, país e cultura, mas ela, provavelmente não existe na forma que queremos acreditar e que ela é apenas mais um subterfúgio de nossa mente para diminuir o desabor de saber que morreremos em algum momento; e isso nos fez criar mecanismos chatos e intermináveis de salvação, condenação, vida e morte eternos, pois, no fim das contas o que o homem quer é isso:
Viver eternamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário