quinta-feira, 5 de março de 2015

O homenageado

 Redação Pragmatismo
Corrupção 05/Mar/2015 às 11:06

Aécio Neves recebia recursos desviados de Furnas, disse o doleiro Yousseff

Doleiro e delator Alberto Yousseff afirmou que o senador tucano recebia em esquema de propina de Furnas por intermédio de sua irmã e disse também que o PSDB tinha uma diretoria na estatal. Ao comentar arquivamento das denúncias por Janot, Aécio diz que se sente "homenageado"

aécio neves lava jato yousseff
Aécio Neves disse que encarou como uma “homenagem” o arquivamento das denúncias que enfrentava na Lava Jato (ABR)
Alberto Youssef, o doleiro delator, citou o envolvimento de irmã de Aécio em esquema de propina de Furnas e disse também que o PSDB tinha uma diretoria na estatal.
O depoimento de Yousseff corre em sigilo de justiça, mas o jornal O Estado de S.Paulo teve acesso ao conteúdo. Nele, o doleiro afirmou “ter conhecimento” de que o senador Aécio Neves, do PSDB, na época em que era deputado federal, estaria recebendo recursos desviados de Furnas “através de sua irmã”.
O termo de colaboração número 20, das confissões de Youssef no fim do ano passado, tem como mote Furnas e o recebimento de propina pelo Partido Progressista e pelo PSDB. Além de Aécio, foram citados o ex-deputado José Janene (do PP, morto em 2009) e o executivo Airton Daré, sócio da empresa Bauruense que foi prestadora de serviços para Furnas.
Youssef disse que recolheu dinheiro de propina na empresa, cerca de dez vezes. Em uma delas o repasse não foi feito integralmente e faltavam R$ 4 milhões. Youssef afirmou ter sido informado de que “alguém do PSDB” já havia coletado a quantia pendente.
Aos procuradores, o doleiro delator declarou não ter conhecimento de qual parlamentar havia retirado a comissão, mas afirmou que o então deputado federal Aécio Neves teria influência sobre a diretoria de Furnas e que estaria recebendo o recurso através de “sua irmã”, segundo o texto literal da delação a que o jornal teve acesso. Na delação não foi especificado qual das duas irmãs do senador o doleiro se referia.
No depoimento de delação, o doleiro descreve que de 1994 a 2001 o PSDB era responsável pela diretoria de Furnas. Disse ainda que recebia o dinheiro de José Janene nas cidades paulistas de Bauru e de São Paulo e mandava o valor para Londrina ou Brasília.
Segundo apurado, o doleiro declarou que os diretores da Bauruense poderiam fornecer mais informações sobre os diretores de Furnas e disse ao MPF ter conhecimento de que há um inquérito sobre a empresa de Bauru no STF.

Pressão

Congressistas do PSDB disseram ao mesmo periódico que um deputado do partido com interlocução no Ministério Público chegou a procurar Rodrigo Janot quando surgiram rumores sobre a citação do nome do Aécio pelo doleiro.
Em uma conversa descrita como dura, o procurador teria sido lembrado que uma denúncia vazia demonstraria apenas a intenção de envolver a oposição no esquema investigado pela Lava Jato que, a princípio, envolveria apenas PMDB, PT e PP. Janot também ouviu que Aécio teve 53 milhões de votos nas últimas eleições e que o partido não aceitaria a “politização” da denúncia.

Arquivamento

O Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, entendeu que as informações reunidas não são suficientes para proceder a investigação, sugerindo então o arquivamento da denúncia ao ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF).
Aécio, por sua vez, afirmou não ter conhecimento sobre o teor da acusação contra ele e que encara o arquivamento é
como “uma homenagem” da Procuradoria Geral da República (PGR).
com informações do jornal O Estado de São Paulo
Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário