terça-feira, 17 de março de 2015

como surge o narcisismo

Revista Galileu

Compartilhada publicamente 09:57
 
A ciência mostra como surge o narcisismo http://ow.ly/Kra8f
 

A ciência mostra como surge o narcisismo

17/03/2015 - 09H03/ atualizado 09H0303 / por Fernando Bumbeers
Pintura de John William Waterhouse retrata a lenda de narciso, que se apaixonou por seu próprio reflexo em um lago (Foto: Timothy Takemoto/ flickr/ creative commons)
Em tempos de selfies, o narcisismo se torna cada vez mais recorrente - todo mundo conhece um ~narciso, que ama o próprio reflexo. E esse reflexo não precisa ser literal, pode se referir a outros tipos de amor próprio excessivo que vão além do físico.
Mas como isso acontece? Como uma pessoa se torna tão autoconfiante e apaixonada pela própria imagem - a ponto de desprezar os outros? Pesquisadores americanos foram buscar essas respostas no comportamento das crianças. Foram analisadas 565 crianças, de 7 a 11 anos de idade, e seus pais - 415 mães e 290 pais.
O resultado foi claro e objetivo: crianças superestimadas pelos pais durante este estágio de desenvolvimento são mais propensas ao narcisismo. Segundo o estudo, “superestimar” é fazer a criança achar que é melhor que seus colegas. "Quando as crianças são vistas por seus pais como sendo mais especiais do que outras crianças, eles podem internalizar a visão de que eles são indivíduos superiores, uma visão que está no cerne do narcisismo", diz o estudo.
Mas a teoria da psicanálise sugere que narcisistas são fruto de um relacionamento frio com os pais - o que poderia invalidar as ideias dos autores da pesquisa, Brad Bushman e Eddie Brummelman.
Tendo isso em mente, Bushman e Brummelman se apoiaram na Teoria da Aprendizagem Social - a ideia que todo aprendizado provém de comportamentos já moldados. Então, as crianças, na verdade, aprendem a ser narcisas com os pais. É isso: pais narcisistas geram filhos narcisistas.
O segredo do sucesso com as crianças também está no estudo: "[...] Quando as crianças são tratadas por seus pais com carinho e apreço, podem interiorizar a ideia de que eles são indivíduos valiosos, uma visão que está no cerne da auto-estima”.
Via WashingtonPost
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário