sexta-feira, 4 de abril de 2014

MULHER INTELIGENTE

Silvia Lima
UMA MULHER INTELIGENTE FALANDO DOS HOMENS
Tive apenas um exemplar em casa, que mantive com muito zelo e dedicação num casamento que durou 56 anos de muito amor e companheirismo, (1952-2008) mas, na verdade acredito que era ele quem também me mantinha firme no relacionamento. Portanto, por uma questão de auto-sobrevivência, lanço a campanha ‘Salvem os Homens!’ Tomem aqui os meus poucos conhecimentos em fisiologia da masculinidade a fim de que preservemos os raros e preciosos exemplares que ainda restam...
imagem não exibida

Índios sob a Ditadura

Índios e a Ditadura: Novas verdades reveladas.

http://wp.me/p3C2Pm-4re
imagem não exibida
Índios sob a Ditadura: verdade começa a vir à tona
Manaus debate, nesta sexta, investigações do Ministério Público sobre massacres, trabalhos forçados e deslocamento de...

EUA tenta desestabilizar governo de Raúl Castro


CUBA
03/04/2014 - 13h37 | Redação | São Paulo

EUA criaram “Twitter cubano” para tentar desestabilizar governo de Raúl Castro

Página, chamada de "ZunZuneo", foi elaborada pela Usaid, agência responsável por fornecer fundos a países pobres
 
     
 
Atualizada às 15h40

O governo dos Estados Unidos criou secretamente uma rede social semelhante ao Twitter que visava estimular agitação política e dissidência em Cuba, de acordo com uma investigação da AP (Associated Press), divulgada nesta quinta (03/04). Com acesso a mais de mil páginas de documentos, a agência de notícias norte-americana revelou que o desenvolvimento deste serviço pretendia invadir os rígidos filtros de internet na ilha e desestabilizar o governo de Raúl Castro.

O programa ZunZuneo – nome inspirado no canto do “zunzún” (beija-flor, em espanhol) - foi financiado e gerido pela Usaid (Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional), entidade responsável por oferecer dinheiro de ajuda humanitária para os países pobres.

Na tarde desta quinta, Washington assumiu a existência de um projeto de rede social, mas negou que fosse algo clandestino. "As sugestões de que se tratava de um programa encoberto não são corretas", explicou em sua entrevista coletiva diária o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney. Na execução de programas "em ambientes não permissivos" o governo toma medidas "para ser discreto" e isso não ocorre "exclusivamente em Cuba", disse Carney, segundo a Efe.

Reprodução

Página da Zunzuneo: Apesar da questionável legalidade, a Usaid diz que suas empreitadas em Cuba estavam dentro da lei 


A ideia era construir uma grande rede social que permitisse aos cubanos se comunicar uns com os outros gratuitamente para além do alcance da internet controlada da ilha. Com isso, as autoridades norte-americanas forneciam aos usuários informações do mundo exterior. Segundo os documentos revelados pela AP, os líderes da ZunZuneo planejavam tirar Cuba "da inércia mediante iniciativas táticas para um processo de transição democrática".

Por meio de uma lista de números de telefone obtidos a partir de um trabalhador do Cubacel (empresa de telecomunicações estatal cubana), a Usaid começou inicialmente a oferecer conteúdos “não-controversos”, como futebol e música. Com o tempo, a rede ZunZuneo passou a enviar textos mais engajados politicamente, com o intuito de desencadear manifestações contra o governo castrista e "renegociar o equilíbrio de poder entre Estado e sociedade”, segundo um dos documentos da agência.

Longe de suspeitas

O projeto da rede social começou em 2009 e operou durante dois anos. Em seu auge, o programa tinha mais de 40.000 assinantes, majoritariamente jovens cubanos propensos a buscar mudanças políticas na ilha. Para afastar suspeitas da inteligência cubana, a agência utilizou uma rede de empresas fantasmas cadastradas em uma conta bancária das Ilhas Cayman para ocultar transações financeiras. Com o desígnio de parecer uma empreitada legítima, a agência também criou um portal na internet com o mesmo nome e usou falsos banners (anúncios publicitários online).

Além disso, a ZunZuneo também realizava pesquisas de mensagem de texto para reunir informações sobre os usuários da rede social. Com isso, os agentes analisavam dados como idade e tendências políticas de seus assinantes.
Ascensão e queda

O programa, no entanto, revelou-se insustentável. Em meados de 2012, a rede social desapareceu por falta de financiamento e de doações do governo, alega a Usaid. De acordo com documentos, a agência teria pedido financiamento ao co-fundador do Twitter, Jack Dorsay – mas ele negou comentar o caso à AP.

Apesar da questionável legalidade da operação, a agência diz que suas empreitadas em Cuba estavam dentro da lei tanto quanto a sua missão humanitária. "A Usaid é uma agência de desenvolvimento, não de inteligência. Nós trabalhamos em todo o mundo para ajudar as pessoas a exercerem os seus direitos e liberdades fundamentais e dar-lhes acesso a ferramentas para melhorar suas vidas e se conectar com o mundo exterior", declarou o porta-voz da Usaid, Matt Herrick, à AP.

Frente à propagação da reportagem investigativa, um porta-voz do Departamento de Estado disse nesta quinta à NBC News que “o Congresso financia programas de democracia para ajudar os cubanos a terem maior acesso à informação e fortalecer a sociedade civil”. 


comentários

A Grande Muralha Verde


MEIO AMBIENTE
04/04/2014 - 10h48 | Graham Land | Asia Sentinel | Hong Kong

Revista Samuel: A Grande Muralha Verde

Com mais de 50 bilhões de árvores plantadas, China tem o maior programa de reflorestamento do mundo
 
     
 
Xinhua/Xie Xiudong

Mase Hiroki no deserto de Engebei, norte da China: japonês tornou-se voluntário para plantar árvores no deserto
Depois que a China foi afetada por devastadoras inundações ao longo da bacia do rio Yangtzé, em 1998, que causaram o afogamento de mais de quatro mil pessoas e deixaram 15 milhões de desabrigados, as autoridades puseram em prática o que é de longe a maior operação de plantio de árvores no mundo, em uma tentativa de deter a lenta desertificação, enchentes e outros problemas.
O programa surgiu na forma de duas iniciativas nacionais, o Programa de Proteção da Floresta Natural e o de Devolução de Áreas Cultivadas para o Programa Florestal, também conhecidos como “Grãos-pelo-Verde” e “Conversão de Terras de Encostas”. Não chegaram muito a tempo. De acordo com dados do Greenpeace, somente 2 % da floresta original da China continua intacta e apenas 0,1% dessa área é oficialmente protegido. O desmatamento resultou em grande perda da biodiversidade e tem sido a causa apontada para todos os problemas ambientais, de deslizamentos de terra à pesada poluição em Pequim.

Clique aqui e assine o canal de Opera Mundi no Youtube
A situação é semelhante em várias partes da Ásia, incluindo gigantes em desenvolvimento como a Índia e a Indonésia. Ambientalistas dizem que recentes inundações e deslizamentos de terra em Java, que mataram pelo menos 19 pessoas, foram intensificados pelo desmatamento.
Shopsooy

Yangtzé, o maior rio da Ásia: inundações crescentes causadas por problemas ambientais
Verde comunista
Tanto a China como a Índia têm programas para reflorestar e “reverdejar” áreas que foram destruídas pela remoção da mata nativa, embora o da China seja  muito maior. A Grande Muralha Verde da China tem como objetivo deter o avanço dos desertos por meio do plantio de uma assombrosa quantidade de árvores.
Na Província de Shaanxi, o programa converteu 571 mil hectares de terras agrícolas e 427 mil hectares de terras improdutivas em florestas ou gramados entre 1999 e 2002, de acordo com um estudo de Edouard Vermeer para a Cambridge University Press. Outros 280 mil hectares de terras agrícolas e a mesma extensão em terras não cultivadas foram reflorestados em 2003. O Banco Mundial chamou atenção para o programa, dizendo que a China é um dos poucos países da Terra que está ampliando sua cobertura florestal.
Ao criar a maior floresta formada pelo homem no mundo, o Partido Comunista diz que já teve êxito em cobrir 20% do país com florestas. Seu objetivo é ter 42% até 2050. Parece até que a maior arma da China – e a menos reconhecida internacionalmente – contra a mudança climática é o plantio de árvores.
Os cidadãos de modo geral plantaram cerca de 56 bilhões de árvores por toda a China na última década, de acordo com estatísticas governamentais citadas pelo jornal “The Guardian”. Somente em 2009, a China plantou 5,88 milhões de hectares de floresta. O ex-vice-presidente dos Estados Unidos e Prêmio Nobel da Paz, Al Gore, disse que a China planta duas vezes e meia mais árvores a cada ano do que o restante do mundo inteiro somado. Ele definiu esse esforço como “o maior programa de plantio de árvores já visto no mundo”.

Apesar do êxito, críticos questionam a Grande Muralha Verde porque possui também desvantagens ambientais, tais como sua pobre biodiversidade e o intensivo uso de água. Alguns estudos chegam a mostrar que a criação de novas florestas não é um modo eficaz de absorver carbono ou mitigar mudanças climáticas.
Governo motivado
Embora grandes projetos nacionais como o da Grande Muralha Verde funcionem também como ferramentas de propaganda para o governo chinês, os resultados diferem em nível local, como explica um artigo sobre reflorestamento no sudoeste da China, publicado no “China Dialogue”. O programa se deparou com problemas entre os camponeses que se rebelam quando as novas árvores não produzem renda na mesma proporção das lavouras perdidas e, em alguns lugares, o plantio simplesmente não decola por causa de projetos ruins de reflorestamento ou outras questões. Apesar disso, no geral, a iniciativa é um exemplo impressionante do que um governo pode fazer desde que esteja motivado.
Um esforço para deter a expansão do deserto de Kubuqi, na província da Mongólia Interior, atualmente é  dirigido por um ex-embaixador sul-coreano na China, Byong Hyon Kwon, que se tornou ativista em prol do meio ambiente.
Reprodução/Futureforest.org

Ativistas do Floresta Futura: esforço da organização no combate à desertificação para aliviar a poluição nas cidades
De acordo com um artigo no jornal “The Star”, de Kuala Lumpur, Kwon fundou em 2001 a Floresta Futura, uma organização sem fins lucrativos, para combater a desertificação. Como embaixador na China de 1998 a 2001, ele viveu diretamente a experiência das tempestades de areia conhecidas como Dragão Amarelo, que deixam o céu sobre Pequim denso, por causa da poeira, e levam pessoas com bronquite asmática e problemas cardíacos ao hospital. Ele ficou convencido de que, se não fossem adotadas medidas, a trajetória da areia iria ameaçar a viabilidade do continente asiático.

Kwon e a Floresta Futura planejam o cultivo de uma faixa de 15 quilômetros e 800 metros de largura de vegetação densa para deter a marcha do deserto para o leste. Com seu parco orçamento de 1 milhão de dólares, a Floresta Futura já conseguiu plantar 6,2 milhões de árvores nos últimos oito anos.
Tradução: Teresa Souza
*Texto originalmente publicado no Asia Sentinel, site independente dedicado à cobertura de notícias do continente asiático.


comentários