terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

INFARTO NA MULHER É DIFERENTE

Rivison Delmondes
SINTOMAS DO INFARTO NA MULHER É DIFERENTE DOS SINTOMAS NOS HOMENS

Algumas doenças não acometem homens e mulheres da mesma forma, por isso é importante saber dessas diferenças para evitar transtornos e finais inesperados. O infarto, uma das principais causas de morte no mundo, encabeça essa lista. Enquanto neles a dor no peito é comum e vem acompanhada de vômito e sudorese, nelas, os sinais são outros e menos evidentes. A dor no peito não é relatada em mais de 40% dos casos nas infartadas, apontou estudo com mais de 1 milhão de pacientes nos Estados Unidos, conduzido pelo Centro Médico de Lakeland Florida - Georgia Linea). 

"As mulheres se queixam mais de dor nas costas, cansaço, queimação no estômago e náusea", alerta a Dra. Magaly Arrais, cardiologista e cirurgiã cardíaca do Hospital do Coração, em São Paulo. "Esses sinais, nem sempre reconhecidos e relacionados ao coração, fazem com que as mulheres associem o mal-estar a problemas gastrointestinais ou ortopédicos, o que faz com que demorem para procurar socorro médico. É algo preocupante, pois sabemos que os indivíduos enfartados sem atendimento morrem mais", esclarece.

Somado a esses sinais, outras condições negligenciadas pelas mulheres as transformam em vítimas potenciais, como o crescimento da obesidade, o descontrole do diabetes e dos níveis do colesterol, o tabagismo, o sedentarismo, o estresse do dia a dia e a pressão arterial elevada. "A jornada tripla da mulher moderna aumentou o estresse e a ansiedade - fatores que também deixam elas mais suscetíveis aos problemas cardíacos", destaca a especialista.

Estimativas também apontam que a probabilidade de a mulher morrer de infarto é 50% maior quando comparada aos homens. Segundo a cardiologista, isso acontece por uma série de fatores. Um das explicações refere-se ao menor calibre das artérias das mulheres, as placas ateromatosas tendem a fechar mais a artérias delas do que dos homens, o que faz com que a obstrução seja mais grave, tornando-as mais propicias a oclusões arteriais. 

O estrógeno tem função vasodilatadora, evita o acúmulo do LDL, o colesterol ruim, e facilita o HDL, colesterol bom. "Na menopausa, período em que as mulheres estão mais velhas e mais propensas a males cardiovasculares, o estrógeno apresenta queda progressiva e diminuição desse efeito protetor", argumenta.

Mesmo podendo acometer todas as pessoas em faixas etárias distintas, o infarto é ainda mais frequente em homens, a partir dos 55 anos, e nas mulheres, após 65. Mas, o que acontece ao coração durante esse tipo de ocorrência? "O infarto acontece em decorrência da oclusão arterial, sem receber o sangue, o tecido não irrigado necrosa, morre", explica. "Trata-se de uma doença traiçoeira, pois nem todos pacientes apresentam sintomas característicos e a sobrevida depende do diagnóstico e tratamento precoces", conclui. 

Medicina, Mitos & Verdades by Carla Leonel
imagem não exibida

liberdade da entrega

"Quando não há mais nada que possamos fazer para tentar modificar algumas circunstâncias, o que existe de mais confortável no mundo é a liberdade da entrega e a coragem da aceitação de que as coisas possam ser simplesmente como são."

(Ana Jácomo)
image not displayed

Contrastes

Contrastes

Ciência & Saúde, Mundo  ,

Um quarto dos americanos ignora que a Terra gira em torno do Sol

JMA / EUMETSAT / NASA
O Planeta Terra visto do espaço
O Planeta Terra visto do espaço
Um quarto dos norte-americanos ignora que a Terra gira em torno do sol, e mais de metade desconhece que o homem descende do macaco, revela um inquérito da Fundação Nacional das Ciências (FNC) dos Estados Unidos hoje divulgado.
De acordo com uma sondagem efetuada junto de 2.200 pessoas, apenas 74% dos interrogados sabem que o planeta Terra gira em torno do sol, e 52% ignoram que o ser humano descende do macaco. Este segundo resultado, especificamente, pode estar relacionado com a massa de cristãos americanos que acredita na teoria criacionista.
Em nove questões relacionadas com conhecimentos elementares em física e biologia, a média de respostas certas foi de apenas 6,5%.
Apesar dos resultados muito medíocres relacionados com os conhecimentos científicos dos norte-americanos interrogados pela FNC, mais de 90% declararam-se “muito interessados” ou “moderadamente interessados” pelas novas descobertas médicas.
No entanto, os Estados Unidos parecem relativamente bem colocados no que se refere à “educação científica informal”. Assim, perto de 60% dos norte-americanos já visitaram um jardim zoológico, um aquário, um museu de história natural ou de ciências e de tecnologias, e um terço opina que a ciência e a tecnologia devem beneficiar de mais investimentos.
Por sua vez, perto de 90% dos participantes no inquérito consideram que os cientistas “ajudam a resolver os problemas difíceis” e “trabalham para o bem da humanidade”, sublinha John Besley, professor adjunto de relações públicas na universidade do estado do Michigan, que analisou os resultados da sondagem.
Realizado de dois em dois anos, este inquérito está incluído num relatório de ciência e engenharia que a FNC envia regularmente ao Presidente e ao Congresso.
Besley apresentou os resultados deste inquérito à conferência anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS), reunida em Chicago de 12 a 17 de fevereiro.
/Lusa

Jardim Vertical

Prédio residencial terá maior jardim vertical do Sul da Ásia
http://sl.rebia.org.br/?HJVYA

Reciclagem de água, painéis para captação de energia solar  e plantas que isolam o calor e o barulho são alguns dos atrativos do Clearpoint Tower, o prédio residencial que terá o maior jardim vertical do Sul do Ásia e um dos mais altos do mundo.
image not displayed