segunda-feira, 14 de julho de 2014

mão assassina

Deter a mão assassina de Israel

Editorial do site Vermelho:


Enquanto toneladas de bombas são despejadas por Israel sobre a Faixa de Gaza e a iminência de uma ofensiva terrestre é ensaiada com incursões pontuais, a operação “Margem Protetora” já causou cerca de 170 mortes, entre quase 100 civis, inclusive crianças, desde que foi intitulada, na terça-feira (8), até domingo (13). Entretanto, diversos ataques aéreos já vinham sendo denunciados nas semanas anteriores, assim como outra operação militar e suas consequências criminosas na Cisjordânia, desde 12 de junho.

Fica claro que, apesar dos pretextos apontados pelo governo racista e extremista de Benjamin Netanyahu, o objetivo de Israel é prejudicar e impedir a consolidação do governo de unidade nacional, anunciado após a reconciliação entre a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) e o Hamas, partido islâmico à frente do governo de Gaza desde a ruptura política intrapalestina, há sete anos. O governo israelense classifica o Hamas e qualquer outra resistência armada de “terrorista”, na busca por deslegitimar qualquer força que se contraponha ao seu regime de dominação e genocida que já dura quase sete décadas.

É assim que o governo israelense justifica os frequentes ataques aéreos que matam inúmeros civis, o bloqueio completo de Gaza – que empobrece sistematicamente uma população de quase dois milhões de palestinos em um território de menos de 400 quilômetros quadrados, em contínua crise humanitária – e a ocupação militar da maior parte da Cisjordânia.

A controvérsia entre notícias de movimentos judaicos pelo mundo e em Israel apelando pela paz, contra a ocupação, por um lado, ou pela dizimação dos palestinos e de árabes, em geral, por outro, é reveladora, mas a violência dos colonos israelenses na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, territórios palestinos, com a conivência dos soldados da ocupação, não é novidade. Entretanto, a morte de três jovens colonos foi usada pelos líderes políticos e religiosos para instigar uma nova forma de ódio, racismo e discursos ultranacionalistas assombrosos. No outro sentido, as mortes de dezenas de palestinos nas mãos dos soldados e o encarceramento de centenas, inclusive crianças, além do assassinato brutal de um adolescente por “judeus extremistas”, como denominados por oficiais israelenses, levam vozes nacionais e mundiais contra a ocupação a elevarem-se.

Mais uma vez, porém, a resposta é ineficaz. A ocupação sobre a Cisjordânia intensifica-se e os bombardeios contra Gaza batem diferentes recordes a cada dia. O número de mortos em seis dias alcançou a cifra de vítimas da última grande operação, que durou oito dias, em 2012. Ainda assim, o governo israelense afirma, minimizando a violação flagrante e brutal do direito internacional humanitário – com os ataques deliberados a residências e outros alvos civis, por exemplo –, que não pretende responder aos tímidos apelos da chamada “comunidade internacional” por um cessar-fogo.

As potências encenam “grave preocupação” e até reúnem-se para debater a questão, mas a impunidade de Israel frente às violações do direito internacional é histórica, duradoura e conta com a proteção incondicional, principalmente, dos Estados Unidos, que vetam qualquer condenação sugerida no âmbito do Conselho de Segurança das Nações Unidas, mantendo seu compromisso com o Estado sionista, que propaga uma ideologia racista, sustentáculo do regime israelense e exerce a ocupação sobre a Palestina utilizando métodos brutais. Enquanto a tendência de isolamento de Israel no cenário internacional é praticamente palpável, a resposta mundial ainda é insuficiente.

As autoridades israelenses continuam acusando os palestinos de serem responsáveis por seu próprio sofrimento, enquanto os palestinos, que já reconheceram Israel em 1988 e concederam àquele Estado quase 80% dos seus territórios, continuam submetidos à ocupação e ao bloqueio, “punidos coletivamente” – como afirmou o Conselho de Direitos Humanos da ONU – pelo que Israel resolver alegar. São sujeitos aos bombardeios e às grandes operações que vitimam toda a nação e a possibilidade de libertação, independência e autodeterminação, uma promessa da “comunidade internacional” cuja postergação é a maior causa do sofrimento palestino.

É necessário ampliar e intensificar a solidariedade do povo brasileiro ao povo palestino, o que somente será possível se os partidos de esquerda e as organizações dos movimentos populares, juvenis, sindicais, estudantis, femininos, entre outros, tomarem esta tarefa em suas mãos, rechaçando o lobby sionista que procura interferir indecorosamente nas organizações progressistas, cooptando lideranças e exercendo pressões e chantagens sobre personalidades, parlamentares, funcionários de governo, quadros partidários e organizações dos movimentos sociais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário