segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Dicionário de língua morta

 Pequeno dicionário brasileiro da língua morta 
Alberto Villas

Se você acha que café com leite é só a bebida mais comum do mundo no café da manhã, ou que babado serve apenas para enfeitar a saia, é porque ainda não leu o Pequeno dicionário brasileiro da língua morta, do jornalista Alberto Villas.

E por que o jornalista garimpou tantas palavras que caíram em desuso? Para mostrar como a língua portuguesa tem um rico vocabulário e sofre mutações ininterruptamente? Talvez. Essa é uma possibilidade. Mas, para Max Gehringer, que assina uma das orelhas do livro, “o que o Villas fez foi garimpar palavras por puro deleite, como quem encontra um empoeirado disco de vinil da Jovem Guarda (‘Meu Broto’, com Teddy Milton) e aí embarca numa nostálgica viagem no tempo”.

Durante essa viagem, Villas foi escarafunchando seu baú de memórias e desencavou palavras divertidas, como xumbrega. “Diz a lenda que essa palavra tem origem lá por volta de 1600, quando o aventureiro alemão Friedrich Hermann Schönberg, que comandava as tropas de Portugal contra a Espanha, se deu mal. Schönberg acabou virando xumbrega. E xumbrega quer dizer uma coisa ruim, feia, mal-acabada.” 

O abecedário formulado por Villas traz algumas milongas (mexericos), mas nada que faça corar sirigaitas (mulheres ousadas, atrevidas) ou mancebos (rapaz novo, que hoje seria o correspondente a “gato”). Pode ser que fãs do cantor Fagner fiquem chateados ao saber que o autor do livro acha a voz dele igual à de taquara rachada: “É só ouvir o primeiro disco dele – ‘Manera Fru Fru Manera’ – ou o segundo, ‘Ave Noturna’. Não que o autor de ‘Mucuripe’ tenha uma voz irritante, mas é muito particular, de taquara rachada”. Mas, para livrar um pouco a barra dele, Villas complementa: “A Desciclopédia tem uma lista enorme de pessoas com voz de taquara rachada. De Tiririca a Xuxa, passando por Sandy Leah, a Sandy do Júnior”.

Exemplos de palavras hilárias pululam no livro. Como manota, aquele fora que, por mais que se queira, não há como remediar: você chega para uma mulher, olha a barriguinha dela e pergunta: “É pra quando?”. E ouve a resposta: “Não estou grávida!”. Que mancada! Ou que quiproquó! Se você tem vontade de engrossar seu vocabulário, e quer fazer bonito com os seus amigos, pode adotar daqui para frente fuzarca, víspora, palangana. Esse é o melhor jeito de lavar a égua. 

O autor
Alberto Villas nasceu em Belo Horizonte em 1950. Jornalista e escritor, em 2006 lançou o seu primeiro livro, O mundo acabou! que ficou várias semanas nas listas dos mais vendidos. Em seguida lançou Afinal, o que viemos fazer em Paris?, Admirável mundo velho! e Onde foi parar nosso tempo?, todos pela Globo Livros.



Walcyr Carrasco
http://colunas.revistaepoca.globo.com/walcyrcarrasco
Alberto Villas: saudade de palavras perdidas
19:29, 29 DE ABRIL DE 2012 
WALCYR CARRASCO
O jornalista Alberto Villas publicou um livro delicioso: “Pequeno Dicionário da Língua Morta”.
É sobre palavras que sumiram do mapa. Mas que gente como eu, já nos 60, ainda as usa de vez em quando, revelando sem querer, a idade.
Fuzarca é uma delas. Os reis da “Fuzarca”eram aqueles rapazes que faziam farras. Mas havia um traço de ingenuidade nos tempos da fuzarca. Era uma farra, mas não como as de hoje, muito mais pesadas. A Fuzarca saiu de moda. Virou Farra, simplesmente. E a tal ingenuidade saiu de moda mais depressa ainda.
Macaca era a fã alucinada, capaz de loucuras para conseguir um fio de cabelo de Cauby Peixoto ou um pedaço da roupa rasgada de Angela Maria. As antigas macacas de auditório hoje são vovós. E a fã alucinada virou Tiete.
Sapeca era a criança agitada, que não parava quieta. Mocinha sapeca era mais além, usava minissaia, era meio safadinha. A palavra sapeca saiu de moda. As garotas não. Meninos e rapazes continuam adorando as sapecas.
Lambuja. Alguém comprava um sapato e ganhava uma meia de lambuja. Ou enchia o tanque e ganhava uma ducha. Lambuja era o algo mais. Que agora chamamos de bônus. Não vou negar, é mais chique.
Fura-bolo — No passado os dedos tinham nomes e funções. Havia o mata-piolhos e também o fura-bolo. Teoricamente, era com ele que a criança experimentava o bolo, embora eu nunca tenha conhecido alguém que deixasse os filhos botarem o dedo no bolo quentinho. Hoje os dedos perderam esses nomes divertidos.  Mesmo porque não conheço também ninguém que mate piolhos com o dedo. Ou que confesse isso.
Achei o livro divertidíssimo. E para quem gosta de escrever novelas de época como eu, é bom guardar na estante, para usar na primeira oportunidade!

Nenhum comentário:

Postar um comentário