domingo, 21 de fevereiro de 2010

A mais estúpida das guerras...
Por Deuzimar Menezes NEGREIROS

"Os homens prudentes sabem tirar proveito de todas as suas ações, mesmo daquelas a que são obrigados pela necessidade"
- Maquiavél

Alguém disse, e já há um bom tempo, que
- Todas as guerras são estúpidas.

Por esses dias, eu, você e todas as pessoas de bom senso já se tocaram de uma inquestionável verdade:

- Todas as guerras são estúpidas. E a que estamos vivendo, convenhamos, é mais ainda.

Não há sequer uma justificativa para o horror das cenas que estamos assistindo. Revolta e nos faz perder toda e qualquer perspectiva de que a humanidade tenha jeito, vontade e alguma reles chance de viver em harmonia.

Em pleno século vinte e um, é inadmissível ver as batalhas campais, os bombardeios, o sofrimento do povo iraquiano. Tudo ao vivo, na medida do possível, e em cores. A espetacularização da guerra. A morte na sua sala de jantar.

Apresso-me em esclarecer. Não vai aqui nenhum sentimento antiamericano, desses que propõe o boicote à Coca-Cola, ao McDonald e ao cartão American Express. Fico a imaginar o dia-a-dia desses rapazes atirados ao deserto, sujeitos a todos os tipos de vicissitudes, com a ilusão de que são os libertadores de um povo, os mensageiros da democracia. Fico a imaginar o sofrimento dos familiares desses garotos que estão a perder os melhores anos de suas vidas, lutando por uma causa inglória, pelo desvario de um governante.

Aliás, o pior é que não há como distinguir o joio do trigo. Saddam é reconhecidamente um tirano, capaz de dizimar adversários políticos com o uso de armas químicas e condenar à miséria todo o povo iraquiano, apesar da fartura que o petróleo propicia ao país. Bush não é propriamente um humanista. A proposta de consolidar o poderio armamentício dos EUA pelos cinco continentes faz a sua cabeça.

É certo que economicamente o mundo (ou o que sobrar dele) será redesenhado no pós-guerra entre os que apoiaram o conflito e os que ficaram à margem da guerra. Aos vencedores, as batatas - ou melhor, o petróleo.

Mas, não é o petróleo a única razão do combate. Seguramente há outros tantos motivos que não nos foi dado a saber, e que escapam pelos vãos dos dedos da nossa compreensão. Mas que o distanciamento histórico, só possível com o passar do tempo, vai revelar.

De qualquer forma, não há motivo que valha a vida de uma pessoa. Todos perdemos com a estupidez da guerra. Todos nos sentimos vítima e algoz. (dmn)

Nenhum comentário:

Postar um comentário