Livros Proibidos da Bíblia

Livros Proibidos da Bíblia: Enoque


O ano era 325 d. C. e a cidade era Nicéia de Bitínia onde, liderados por Constantino, os cristãos realizavam uma reunião para acertar os detalhes da "oficialização" do cristianismo. Conhecido como o "Concílio de Nicéia" essa reunião definiu datas, organizou festas, discutiu legalidades e, entre outras coisas, definiu o cânone bíblico, ou quais livros entrariam naquilo que hoje chamamos de Bíblia. Alguns dizem que foi mais por questões políticas do que teológicas ou doutrinárias mas, os livros "divinamente inspirados" entraram para o cânone e os "apócrifos", sem inspiração divina ou, ainda pior, redigidos pelo demônio em pessoa, foram descartados, alguns destruídos e outros trancados nos porões do Vaticano por séculos.
Neste conglomerado estavam algumas histórias capazes de provocar calafrios no cristão mais fervoroso, evangelhos diversos, segundo Pedro, Maria Madalena, Thiago e o medonho evangelho segundo Tomé, além de livros que contiam " informação demais" para os fiéis, foram deixados no "calabouço" para não deixarem margem de dúvida sobre a fé que se organizava.
Um desses livros com informações "sobrando" é o de Enoque.
Mas quem é Enoque?
Enoque segundo a bíblia é bisavô de Noé, esse mesmo que o leitor deve estar pensando, o do dilúvio. Enoque era pai de Matusalém, avô de Lameque( filho de Matusalém) e bisavô de Noé ( filho de Lameque); a bíblia não dá detalhes sobre Enoque, só diz que ele andou com Deus e não foi mais visto, por que Deus o arrebatou aos céus.
Cristãos etíopes aceitam e mantêm o livro de Enoque em sua bíblia, e os manuscritos encontrados na cidade Qumram, na gruta 7, corroboram e completam aqueles dos etíopes. No entanto para o Vaticano os livros e manuscritos não possuíam valor "divino", com certeza uma desculpa para as histórias embaraçosas encontradas nos relatos do bisavô do messias diluviano.
A começar pela contradição da história mais importante, depois da crucificação, para o cristianismo moderno: a invenção de Lúcifer.
Antes do século XIII a figura do diabo não existia( basta o amigo leitor procurar o post: Histórias estranhas da bíblia: o diabo) e foi criado para assustar os cristãos medievais, cheios de dinheiro é bom lembrar.
Mas antes do século XIII o problema não era o diabo em si, mas a cabeluda história dos "filhos de Deus" fazendo sexo com mulheres. Isso amigo leitor, os filhos de Deus, entenda-se ANJOS, transando com as mulheres e gerando filhos com elas? No mínimo embaraçoso.
Gênesis cap 5
Além disso Enoque não fala de um anjo luminoso que era praticamente um "vice Deus", segundo uma hierarquia celeste, que foi tomado pela inveja e foi expulso por Deus do céu (?).  Em lugar disso Enoque relata a história de Azazyel e Samyaza. Dois "capitães" do "exército" divino(?) que ao verem as mulheres descem e as tomam como esposas, trazendo consigo seus respectivos batalhões.
Agora faço ao leitor algumas perguntas:
Anjos fazendo sexo?
Exército, batalhão, capitães?
Dois insurgentes e não um?
Creio que ia ser mesmo muito trabalho explicar tudo isso, foi mais fácil inventar o diabo e banir o livro de Enoque.
O relato diz ainda que Deus não permitiu o retorno de seus capitães e seus comandados ao céu e condenou-os a ficarem aqui na terra, que seus filhos semi-anjos destruíam cidades inteiras apenas com os braços, que devoravam plantações em poucas horas, que eram bestas perigosas e que teria sido este o motivo do dilúvio. Que contradiz o Genesis mosaico onde o motivo da destruição aquática é a maldade dos homens. Note também, amigo leitor, que o velho machismo está presente aqui, as mulheres eram a culpa da descida dos anjos e seus filhos eram a razão do dilúvio, típico da mentalidade da época.
De fato outra parte do livro de Enoque que contradiz o Gênesis de Moisés é sobre quem trouxe conhecimentos aos homens. 
Moisés diz que foram os descendentes de Caim: Jabal, Jubal e Tubal-Caim que desenvolveram a arte, a guera, a cultura, a criação de gado, etc;  utilizando-se da alegoria de que o pecado de Adão separou o homem de Deus e, consequentemente, este teria que aprender coisas para sobreviver mas, que cada novo aprendizado afastaria ainda mais a criatura do criador.
Já Enoque diz quem foram os anjos e onde eles lhe deram estes conhecimentos que deveriam ser anotados, metodicamente, em seu livro e, posteriormente ensinados aos homens. Não como um fruto do pecado, mas como um presente para melhorar a vida humana, habilidades necessárias a sua sobrevivência.
Com toda certeza não seria do agrado da recém formada cristandade utilizar-se de livros contraditórios entre si para doutrinar sua igreja emergente.
Assim como vários outros autores Enoque foi condenado ao esquecimento por vários séculos, proibido e visto como um perigo aos desígnios da fé que surgia.
Hoje não é incomum ver cristãos falando da inutilidade dos textos apócrifos, que assim foram taxados por pessoas com medo de seu poder, e de o quanto eles são heréticos.
Esses cristãos não se atém ao fato de que foi sua própria igreja, em um ato puramente político, que definiu o que era ou não "santo" para fazer parte da "palavra de Deus"; fazendo escolhas apoiadas em quem era mais influente ou não na ocasião do concílio. 
Ora... parece muito mais politicagem do que " divinismo". Os fiéis aceitam, defendem e até travam batalhas na afirmação de que a bíblia é, invariavelmente, a palavra viva que saiu dos lábios de Deus. Mas se procurarem na história do cristianismo vão perceber que Deus, no caso de sua (im)provável existência, deve ter acompanhado, nauseado, as escolhas e coisas feitas em seu nome.
No fim todos esses livros são histórias fantasiosas, delírios pessoais ou coletivos, provas (fictícias) do poder, justiça e vontade divina. Em um oceano, ainda indecifrável, chamado cérebro humano, capaz de feitos extraordinários que não podemos compreender. Que atravessaram mais de seis milênios influenciando a vida e morte de bilhões de pessoas e, mesmo hoje, com nossa tecnologia e conhecimento, segue no imaginário coletivo, com uma força tão poderosa que ainda sobrepuja as emoções humanas e, mesmo sem provas de sua existência, está presente em seus sentimentos, governando seu dia a dia, trazendo conforto a suas vidas e mantendo a ordem do ciclo de predação e destruição instituído por ninguém menos que nós mesmos.

#...#

Disqus Comments
Tecnologia do Blogger.

About

© 2017 Portal Pan Americano - Template Created by goomsite - Proudly powered by Blogger